|
  • Bitcoin 143.750
  • Dólar 4,8081
  • Euro 5,1381
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 04/04/2022, 08:41

ESPAÇO ABERTO - Percepções das incertezas

Ingressamos numa era do antropoceno onde a espécie humana passou a acelerar sua pisada planetária de uma forma jamais vista

PUBLICAÇÃO
sábado, 02 de abril de 2022

Paulo Bassani
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Momento propício para pensar nosso mundo, em tempos como este que vivemos, pois uma era de incertezas se instalou definitivamente. Se antes tínhamos uma situação complexa, agora além de complexa é totalmente incerta.

Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Percepções das incertezas Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Percepções das incertezas
|  Foto: istock
 

Há vários cenários, narrativas, interpretações, argumentos e muitas opiniões sendo postos nas mídias digitais, na televisão e nos jornais. Há os otimistas que falam ser um momento como outro qualquer e que estamos avançando no caminho certo. Há outros que apresentam cenários comedidos, cautelosos e que percebem não ser um tempo comum. E há os que visualizam um cenário dramático jamais vivenciado na história moderna, pelo menos no pós Segunda Guerra Mundial.

LEIA TAMBÉM: Embrapa debate o uso racional de fertilizantes na ExpoLondrina 

Em todos os cenários o que se apresenta é algo novo, que não sabemos ao certo como lidar. Quais são as perguntas certas, quais são as metodologias adequadas e as possíveis interpretações e ações decorrentes.

Diante desse quadro há que se ter muita cautela, prudência e cuidado, pois lidamos com algo estranho, desconhecido fruto de uma alta modernidade (Giddens), de uma modernidade líquida (Bauman), de uma sociedade de riscos (Beck). E tudo isso se instalou de forma muito rápida. O fato é que definitivamente ingressamos numa era do antropoceno onde a espécie humana passou a acelerar sua pisada planetária de uma forma jamais vista. Sem prudência, decência, cuidado e tão pouco de forma ética compreendendo ser a casa comum finita, limitada e frágil. Há milhares de documentos da ONU, dos centros de pesquisa, de universidades, cientistas e pesquisadores que assim demonstram.

LEIA TAMBÉM: Projeto incentiva polinização em parques 

São deles, o que parece ser a melhor indicação, não como certeza, mas com menor isenção de interesses ideológicos ou econômicos, coletando e observando dados, informações e análises científicas. Juntam-se outros tantos seres humanos preocupados com as condições de vida e de habitabilidade num planeta que está sendo subjugado a interesses obscuros e que com certa lucidez podemos afirmar que não são para todos.

Este é um dos preços de um mundo globalizado pela lógica do poder, mercado, ganância pela forma como produzimos e consumimos. Estas condições se, por um lado nos agradam, satisfazem nossas necessidades, por outro, nos colocam numa acelerada e distorcida forma de esgotar a biodiversidade e o patrimônio da natureza da qual dependemos.

Se mudarmos seu equilíbrio, mudamos a forma de suas respostas. E elas estão vindo à tona de forma crescente, conforme conhecemos pelas mudanças climáticas. Necessitamos entender melhor essa dinâmica da natureza para que nas próximas décadas possamos preservar a natureza humana que neste momento esta posta em questão.

Esta é apenas uma pequena reflexão necessária, talvez seja esta oportunidade única de pensarmos as condições da reprodução da vida com outros determinantes que até então não foram postos em evidência. Mesmo porque a natureza, sendo sábia, nos coloca mais uma vez esta oportunidade de reflexão aprofundada de nossa maneira de habitar sem guerras, armamentos bélicos, combustíveis fósseis, sem fome. Assim a casa comum que é o planeta Terra poderá, auxiliada por uma ciência séria, gerar frutos para alimentar toda a população e fornecer condições dignas de viver.

Paulo Bassani, professor universitário, sociólogo, escritor.

LEIA outros artigos do leitor publicados na FOLHA: 

- Lições da pandemia

- Ouça a voz do coração

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]