Assine e navegue sem anúncios [+]
LONDRINA -

Criança agredida por pais adotivos recebe alta e vai para abrigo


Fernanda Circhia - Grupo Folha
Fernanda Circhia - Grupo Folha

O menino de 8 anos que foi internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Pediátrica do Hospital Evangélico de Londrina no último dia 8 de dezembro com traumatismo craniano e hematomas pelo corpo teve alta nesta terça-feira (17), conforme a assessoria do hospital. A criança já havia deixado a UTI no domingo (15) e estava na enfermaria. Nesta terça, segundo o hospital, a criança foi encaminhada a um abrigo acompanhado por uma psicóloga e uma assistente social. Ele ficará provisoriamente no local. 


.
. | Marcos Zanutto/Arquivo/Grupo Folha
 


A criança chegou ao hospital no último dia 8 após sofrer convulsões em casa. Ao chegar ao hospital, onde foi levado pelos pais adotivos, a equipe médica o examinou e constatou que tratava-se de um caso de agressão. Na ocasião, a Polícia Militar e o Conselho Tutelar foram acionados. Os pais foram encaminhados à delegacia e prestaram depoimento no dia seguinte. 


Ao delegado José Arnaldo Perón, o casal assumiu que bateu na criança, mas que foi com o objetivo de "corrigir e disciplinar". Sobre os traumas na cabeça, o casal afirmou que a criança se debateu no chão e machucou-se sozinha. Além disso, afirmaram à polícia que as crises de convulsão começaram um dia após terem batido no filho adotivo. 


Os pais foram indiciados por tentativa de homicídio qualificado, de acordo com a delegacia Lívia Pini, do Nucria (Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes). No entanto, conforme a delegada, ainda cabe à Justiça acatar ou não a denúncia. 


O advogado de defesa do casal, Mário Cesar Carvalho Pinto, afirmou na segunda-feira (16), que discorda da posição final da Polícia Civil em relação à conclusão do inquérito. A defesa entende que não houve tentativa de homicídio. "Os pais não desejaram a morte a criança. A defesa vai continuar nessa posição no decorrer dos próximos acontecimentos", ressaltou à FOLHA. 


O casal estava com guarda provisória da criança em processo de convivência desde outubro deste ano. Todo o processo estava sendo realizado em Corumbá, no Mato Grosso do Sul. O TJ-MS (Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul) foi comunicado sobre o caso e suspendeu, em regime de urgência, a guarda da criança. A Corregedoria-Geral de Justiça do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul também determinou a abertura de procedimento para apurar o caso. 


LEIA MAIS:


Casal é preso suspeito de agredir filho adotivo de 8 anos em Londrina


Nucria aguarda perícias para concluir inquérito sobre agressão contra criança


Justiça suspende guarda de casal acusado de agredir filho adotivo


Menino confirmou agressão por pais adotivos, diz delegada


Menino agredido pelos pais adotivos deixa a UTI em Londrina

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo