|
  • Bitcoin 121.439
  • Dólar 5,0555
  • Euro 5,2186
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 18/07/2022, 00:02

Gastos de partidos com comida batem na casa dos milhões

Custo de almoços e convenções no quadriênio de 2017 a 2020 chegou a R$ 11,2 milhões; gastos vão da compra de hambúrgueres a churrascarias

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 18 de julho de 2022

Lucas Marchesini e Ranier Bragon/ Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - Os partidos políticos registraram gastos de R$ 11,2 milhões com alimentação no quadriênio 2017-2020, uma verba que serviu para custear idas a restaurantes de luxo, fornecimento de R$ 31 mil em hambúrguer e refrigerante para uma convenção partidária e também aquisições bem mais modestas, como três pãezinhos franceses e dois sachês de chá contra a gripe. Todo ano, as 32 legendas do país recebem cerca de R$ 1 bilhão de verba pública do Fundo Partidário, dinheiro que é usado para gastos que vão desde o pão quentinho do dia à compra de aeronaves.

LEIA MAIS

Projeto que flexibiliza lei da Cidade Limpa é aprovado pela Câmara

Entrada de Moro acirra disputa pela única vaga do Paraná ao Senado

Os dados dos gastos das legendas no quadriênio 2017-2020 foram colhidos e organizados pelo Movimento Transparência Partidária. O Republicanos de Sergipe, por exemplo, usou R$ 31 mil para comprar hambúrguer e refrigerante para uma convenção do partido em Sergipe, em 2018. Naquele ano, o PRB - nome do partido na época- teve o candidato a vice na chapa ao governo de Eduardo Amorim (PSDB), que terminou a eleição com 20,5% dos votos válidos e quase foi para o segundo turno."A gente convidou muita gente para vir e foi uma forma que a gente arrumou de facilitar a logística, o evento durava o dia todo", disse o presidente do partido no estado, Jony Marcos. Ele afirmou que a prática não é normal no estado, mas que nesse evento a sigla entendeu que o acerto com a hamburgueria facilitaria os trabalhos.

Em outro caso, o DEM gastou de uma única vez R$ 22,1 mil na churrascaria Fogo de Chão, em Brasília, para o lançamento da pré-candidatura de Rodrigo Maia à presidência da República em 2018 - o deputado nunca mostrou competitividade para o Planalto nas pesquisas eleitorais. Na época, Maia era presidente da Câmara e estava no DEM.O seu sonho presidencial durou de 8 de março até 26 de julho, quando ele afirmou deixar "momentaneamente a pretensão presidencial" para apoiar Geraldo Alckmin, então no PSDB.

O ex-governador de São Paulo terminou em quarto na disputa. A assessoria de imprensa do partido, que hoje se chama União Brasil, não se manifestou. A Fogo de Chão é uma das churrascarias mais caras de Brasília.  A churrascaria também foi o local escolhido pelo PL, hoje o partido do presidente Jair Bolsonaro, para oferecer um almoço aos participantes da convenção nacional de 2018.A conta total foi de R$ 20,3 mil. No mesmo ano, o partido reservou R$ 29,8 mil para levar a bancada do partido ao Le Jardin du Golf, restaurante fino de Brasília. Do total, R$ 15 mil foram gastos com comida e o restante para reservar o espaço."Todos os gastos são públicos e estão disponíveis para consulta no site da Justiça Eleitoral", respondeu o PL.

Apesar dos valores irrisórios, o Republicanos nacional enviou para a Justiça Eleitoral, em sua prestação de contas, notas fiscais e até mesmo fotos de alimentos, entre eles uma tapioca de R$ 8, três pães franceses de R$ 1,92 e dois sachês de chá contra a gripe (R$ 2,98).  Na legenda das fotos, consta a informação de que os pães se destinaram a uma reunião administrativa na sede da Fundação Republicana Brasileira. O chá foi para a presidência da Fundação.A prática destoa da quase totalidade das prestações de contas, que agrupam esses pequenos gastos, além de não enviarem fotos dos produtos adquiridos.

Os dados dos gastos das legendas no quadriênio 2017-2020 foram colhidos e organizados pelo Movimento Transparência Partidária Os dados dos gastos das legendas no quadriênio 2017-2020 foram colhidos e organizados pelo Movimento Transparência Partidária
Os dados dos gastos das legendas no quadriênio 2017-2020 foram colhidos e organizados pelo Movimento Transparência Partidária |  Foto: iStock
 

Especialistas apontaram a possibilidade de o partido ter pretendido fazer um protesto contra a exigência de comprovação detalhada de despesas pela Justiça Eleitoral, que por vezes requisita o envio de fotos de eventos realizados. O Republicanos não se manifestou.A área técnica do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) afirmou que os partidos políticos devem prestar contas de toda a sua movimentação financeira, incluindo as de baixo valor, e que os regulamentos do tribunal permitem o uso de conferência da prestação de contas por amostragem, o que possibilita filtros por relevância.

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link