Alguém já disse que o que gera problemas conjunturais (crises) em um país é a crise de moralidade. Se acompanharmos as notícias da China, vemos que lá, ministros e políticos influentes são condenados rapidamente por corrupção à prisão perpétua; assumem publicamente seus erros e são confiscados todos seus bens. Quanta diferença com o nosso “amado” Brasil. Lá, apesar de terem muitos problemas e de ser um país superpopuloso, a grande maioria – talvez pela educação, mentalidade diferente e sistema de governo também diferente - está focada e preocupada em acertar o país. Tanto que o crescimento anual, mesmo com a crise mundial e pandemia, nunca é menos de 7% ao ano. Um político chinês disse que há muitos anos eles estabeleceram (e o principal, cumprem), dez metas administrativas. Entre elas estão penas prisionais rígidas para a corrupção em cargos públicos. Aqui, a maioria é impotente para reverter essa situação. Resignados, dizemos que a corrupção vem desde o descobrimento do Brasil, quer dizer, que aqui há uma cultura de corrupção estabelecida. A solução está em nossas mãos para mudarmos isso.

Swami Veronesi (músico) Santo Antônio da Platina

Imagem ilustrativa da imagem OPINIÃO DO LEITOR - China e Brasil
| Foto: iStock

Festa no céu!

Nesta semana (09 de agosto), ela completaria mais um ano de vida. Como fazia com todos os aniversariantes, mesmo sendo a homenageada, providenciaria o bolo, salgadinhos, docinhos e bebida. A sua ausência física ainda é motivo de muita saudade do seu sorriso, alegria, felicidade, carinho, afeto e amor, com todos que tinham o privilégio da sua convivência. Passado meio ano da sua despedida precoce, ela continua mais viva do que nunca nos nossos corações. Nenhum tempo apagará de nossa memória, quase 50 anos de felicidade conjugal. Seu legado familiar é a dedicação extrema, amor infinito, busca incessante de proporcionar à nossa família, uma vida feliz e saudável. Seu legado profissional também merece oportuna lembrança. Para a consecução das tarefas que lhe eram atribuídas, jamais abria mão de valores, como: integridade, honestidade, caráter, disciplina, decência, dignidade e humildade. Elisabete de Lázaro Delalibera, enquanto professora, filha, esposa, mãe e avó, deixou um vazio existencial no coração de todos os familiares e de todas as pessoas, que com ela, conviveram profissionalmente. Que Deus, nos ajude na aceitação, compreensão e assimilação dos propósitos divinos e celestiais. Fica em paz no colo do Senhor, irradiando luz e iluminando o caminho que nos resta percorrer. Seu “bem”!

Roberto Delalibera (bacharel em Direito) Londrina

A opinião dos autores não reflete, necessariamente, a opinião da FOLHA.

Leia mais:

O que se leva da vida

O sistema feudal no Senado

Geada e seus efeitos colaterais

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.