|
  • Bitcoin 120.384
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 06/08/2022, 00:58

ESPAÇO ABERTO - Empresas que abraçam a diversidade voam mais alto

Ter representatividade no time é importante para viabilizar oportunidades para grupos minorizados e interessante também para os negócios

PUBLICAÇÃO
sábado, 06 de agosto de 2022

Gabriel Rocha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Empresas que abraçam a diversidade voam mais alto Imagem ilustrativa da imagem ESPAÇO ABERTO - Empresas que abraçam a diversidade voam mais alto
|  Foto: istock
 

De alguns anos para cá, muito se tem falado sobre diversidade e inclusão nas organizações. Hoje, possuir um time diverso é, além de um dever social, também é estratégico para a vantagem competitiva do negócio. Sabemos que o cenário atual é cada vez mais múltiplo quando falamos sobre gênero, orientação sexual, etnia, deficiências, faixas etárias e outros, e as corporações precisam adotar estratégias cada vez mais ousadas para conseguir acompanhar este movimento, representando a pluralidade do país dentro no seu quadro de colaboradores.

Ter representatividade no time é importante não somente para viabilizar oportunidades para grupos minorizados, é interessante também para o desenvolvimento do negócio. Segundos dados do IBGE, 56,2% da população brasileira se autodeclara preta ou parda, mas quando analisamos o cenário corporativo atual, algo nos chama atenção.

LEIA TAMBÉM: Em respeito à diversidade, empresas retificam nomes de pessoas trans

Executivos negros são menos que 5% entre as 500 maiores empresas do Brasil. Sobre diversidade de gênero, nos deparamos com um cenário onde apenas 3% das 250 maiores empresas do Brasil têm mulheres ocupando o cargo de CEO.

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional de Saúde, aproximadamente 2,9 milhões de pessoas se declaram pertencentes a comunidade LGBTQIA+, o que representa 5,2% da população brasileira, porém menos de 0,5% dos CEOs de grandes empresas se identificam como parte da comunidade.

LEIA TAMBÉM: Mercado para jovens trabalhadoras: mulheres abraçam novas profissões

Estes números refletem a carência de políticas de inclusão de grupos minorizados e a dificuldade de acesso a posições de alta gestão. Por este motivo é fundamental criar programas que viabilizem a diversidade. De acordo com McKinsey & Company, empresas com menos diversidade cultural e de gênero tendem a render até 29% menos em relação aos seus concorrentes do mesmo setor.

Por outro lado, uma pesquisa da Harvard Business Review aponta que 45% das pessoas que trabalham em empresas que acolhem a diversidade disseram que a participação de mercado cresceu em relação ao ano anterior, e 70% afirmam que a organização conquistou um novo mercado.

LEIA MAIS: Agressões contra população LGBTQIA+ crescem mais de 400% no Paraná

Isso acontece pois incluir grupos minorizados no quadro de colaboradores  permite que estas pessoas atuem como protagonistas no desenvolvimento de novas soluções principalmente se elas alcançam as comunidades das quais eles fazem parte, tornando ainda maiores as chances de sucesso daquele produto, justamente porque os membros do time vivem a realidade daqueles grupos sociais cujo assunto faz referência.

Sendo assim, equipes compostas com diversidades têm ideias diversas, desenvolvem produtos e serviços diversos, ampliando as possibilidades de estabelecer conexões com consumidores de diferentes grupos. É um dever das grandes corporações incluir os objetivos de diversidade e inclusão no planejamento estratégico da empresa para que possamos diminuir os impactos da dificuldade de acesso das minorias às posições de alta gestão, porém, as políticas de inclusão não devem ficar apenas na lei, é preciso que a organização compreenda a verdadeira importância dessas políticas oferecendo oportunidades para grupos que têm mais obstáculos no caminho, refletindo consequentemente no sucesso do negócio.

Gabriel Rocha, coordenador de Recursos Humanos na Roost. 

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]