|
  • Bitcoin 105.897
  • Dólar 5,2536
  • Euro 5,4947
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 23/05/2022, 20:04

EDITORIAL - Mudança na rotina para derrubar o mosquito da dengue

A prevenção deve acontecer no ano todo e, além das políticas públicas, é preciso chamar atenção para as responsabilidades individuais

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 24 de maio de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O surto de dengue no Brasil superou, em quatro meses, o número de casos registrados durante 2021. Nesta segunda-feira (23) ganhou destaque na imprensa nacional a informação de que a situação é a pior da década em cinco estados e mais o Distrito Federal. São eles: Goiás, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins.

O combate ao surto utiliza, de maneira geral,  as armas já bastante conhecidas em todo o país, como conscientização da população para que evite criar lugares propícios para a reprodução do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, aplicação de larvicida, mutirão de limpeza, treinamento de agentes de saúde, entre outras atividades.

Em Londrina, a secretaria municipal de Saúde deu início, nesta segunda-feira,  à aplicação do fumacê pelos bairros da cidade. A medida é uma ferramenta complementar no combate ao Aedes aegypti para frear o avanço da dengue na cidade.

Os números da doença em Londrina, desde o início deste ano, apontam 6.153 notificações, com 868 casos confirmados, 2.064 aguardando resultados de exames e duas mortes: um homem de 85 anos, na região norte, e uma mulher de 86, que vivia na região leste.   

Ao todo, três veículos do governo do Estado irão percorrer as ruas do município, começando pela zona norte, uma das regiões onde a Vigilância Sanitária encontrou mais focos do Aedes aegypti. 

LEIA TAMBÉM: Casos de Covid-19 voltam a disparar em Londrina

No segundo LIRAa (Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti) de 2022, Londrina apresentou um índice de infestação vetorial predial de 7,8%, percentual considerado de risco. O satisfatório é abaixo de 1 e o de alerta entre 1 e 3,9.  O levantamento foi realizado no período de 4 a 8 de abril, em 9.924 imóveis. 

Gestores da área de saúde pública vêm justificando que a pandemia da Covid-19 atrapalhou o trabalho de prevenção da dengue, já que o foco das vigilâncias foi o combate ao coronavírus, além da redução das visitas de agentes de saúde às residências. 

Os números da dengue costumam ser mais altos durante o verão, devido à alta temperatura e à maior quantidade de chuvas. Com a queda nas temperaturas, tendência é uma redução  no número de casos. Mas a prevenção deve acontecer no ano todo e além das políticas públicas, é preciso chamar atenção para as responsabilidades individuais. As pessoas precisam seguir as recomendações básicas da Vigilância Sanitária, evitando em suas casas e locais de trabalho qualquer coisa que possa virar um reservatório com água parada. É lá que o mosquito usará como criadouro.

O cidadão precisa acrescentar mais uma pequena tarefa na rotina: ficar atento ao acúmulo de objetos dentro de casa e no quintal, além de vistoriar os vasos de planta para que não se tornem depósitos de ovos do vetor. Uma atitude que não leva tanto tempo e contribui muito para a saúde pública. 

Obrigado por ler a FOLHA!

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1