|
  • Bitcoin 102.000
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

CRIME DA RUA GOIÁS

m de leitura Atualizado em 02/06/2022, 10:33

'Banco dos Réus' aponta que defesa de Pepiliasco quer reabrir caso

Artista plástica foi condenada em 2015 pela morte da faxineira Cleonice de Fátima Rosa

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 01 de junho de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Folha Arte
menu flutuante

Nesta quinta-feira (2) vai ao ar o segundo episódio da série de podcasts “Banco dos Réus”.  E com uma novidade. O advogado Fausto Migueis, que defende Vanda Pepiliasco no caso do homicídio de Cleonice de Fátima Rosa, ocorrido no dia 10 de julho de 1993, quer reabrir o caso. A situação envolveu cinco personagens que residiam no apartamento 1.102 de um edifício na rua Goiás, 1.623, no centro de Londrina. Além da vítima, foram investigados a artista plástica Vanda, seu marido Lauro, o filho do casal Leonardo e a cozinheira Luzia Colombo.  

O caso foi um dos mais longos processos da 1ª Vara Criminal de Londrina. A última movimentação ocorreu no dia 30 de outubro de 2020, quando a sentença se tornou definitiva e condenou a artista plástica Vanda Pepiliasco pela morte de Cleonice. “Quando li o processo para ver se patrocinava a causa ou não eu fiquei estarrecido com tamanhos absurdos que eu vi”, declarou Migueis. Segundo ele, a defesa está fazendo uma análise do processo e pretende criticar vários pontos da investigação, inclusive a peça-chave do caso, o exame do DNA, que foi decisivo para a condenação. Ele também pretende questionar a cronologia que colocou um dos filhos de Vanda na cena do crime e a maneira como o exame de DNA foi realizado.

Cleonice de Fátima Rosa trabalhava como faxineira e camareira no apartamento do casal Vanda e Lauro Pepiliasco, onde também residiam com seus dois filhos, Leopoldo e Leonardo, e também Luzia Colombo, responsável pela cozinha. Rosa foi encontrada morta, com o pescoço atingido por uma facada. O corpo foi encontrado por Colombo na escadaria de acesso ao apartamento da família Pepiliasco.

  Em um primeiro momento Luzia Colombo confessou ter matado a colega Cleonice, porque ela teria se recusado a ser batizada na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. No entanto, durante a reconstituição do crime, ela alegou que foi torturada por policiais para confessar o ato. Posteriormente foi feita a análise de DNA de cabelos encontrados na mão da vítima e o material coletado foi enviado para Belo Horizonte para ser analisado e comparado com o material genético da família Pepiliasco. O laudo parcial do laboratório apontou que apenas Vanda Pepiliasco apresentou perfil genético idêntico ao do fio de cabelo coletado da mão de Cleonice Rosa. Em 2015, Vanda foi condenada pela morte a uma pena de 8 anos e 6 meses em regime semiaberto.

 LEIA TAMBÉM:

+ Folha lança 1º episódio da série "Banco dos Réus"

+ Justiça determina que Vanda Pepiliasco volte para a prisão

+ Podcast "Banco dos Réus" repercute no meio jurídico

“Banco dos Réus” é o projeto do Grupo Folha de Londrina que integra o programa “Acelerando a Transformação Digital”, desenvolvido pela ANJ (Associação Nacional de Jornais) e Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas), em parceria com o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, sigla em inglês) e o Meta Journalism Project- Meta é a empresa dona do Facebook. 

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.