|
  • Bitcoin 102.982
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 28/05/2022, 07:13

Prefeitura abre processo contra empresa que terceiriza médicos para o PAI

Contratada não estaria disponibilizando pediatras conforme a demanda do município prevista em edital; empresa cita falta de estrutura

PUBLICAÇÃO
sábado, 28 de maio de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
menu flutuante

A pedido da secretaria municipal de Saúde, um processo administrativo foi aberto contra a empresa contratada no início deste mês para fornecer horas médicas de pediatria para o PAI (Pronto Atendimento Infantil). O vínculo emergencial foi visto como uma saída para acabar com o “furo” nas escalas de profissionais, o que há meses tem gerado reclamação das famílias que procuram a unidade em razão da longa espera por atendimento. Entretanto, na avaliação do município, a contratada não prestou os serviços conforme foi acordado. 

Imagem ilustrativa da imagem Prefeitura abre processo contra empresa que terceiriza médicos para o PAI Imagem ilustrativa da imagem Prefeitura abre processo contra empresa que terceiriza médicos para o PAI
|  Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
 

Na solicitação de processo de penalidade encaminhada à secretaria de Gestão Pública, que a reportagem teve acesso, a pasta argumenta que das 1.098 horas possíveis em maio, a empresa teria indicado médicos para um total de apenas 48 horas até o dia 17 de maio. “O não cumprimento do total das horas contratadas/solicitadas repercute no aumento da fila de espera e, consequentemente, no tempo de espera para atendimentos médico, uma vez que escala permanece com vagas em aberto”, sustentou o poder público. 

Segundo a prefeitura, a empresa foi contratada para fornecer até 1.920 horas de pediatras por mês, totalizando até 11.520 horas ao longo de seis meses, ao custo de R$ 135 a hora trabalhada. “Tomamos as medidas contratuais cabíveis. Fizemos a notificação, após a notificação houve manifestação da empresa e encaminhamos à secretaria de Gestão Pública para abrir o processo de penalidade, que vai correr dentro do que preconiza a lei. O objetivo é que consigamos esses profissionais para o PAI”, afirmou Felippe Machado, secretário municipal de Saúde. 

Entre as penalidades previstas no edital estão multa – que varia de acordo com o que foi descumprido – e até a rescisão do contrato. “É uma das possibilidades (romper o contrato) dentro do processo de penalidade”, reforçou. O município tem outro contrato para fornecimento de médicos para o Pronto Atendimento Infantil por meio do Cismepar (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema). 

VEJA TAMBÉM: Vereadores fazem nova vistoria no PAI

DEFESA 

Em nota, a Aviva Gestão de Serviços Médicos declarou que solicitou ao Fundo Municipal de Saúde a adequação das estruturas e gestão do PAI, “diante da rejeição dos médicos em atuar no local”. Entre as dificuldades que estariam sendo encontradas no lugar a empresa elencou a “triagem inadequada, falta de segurança, condições de trabalho e de produtividade dos profissionais concursados, ausência de sistema eletrônico de prontuário e demora de atendimento da regulagem do Samu”. Recentemente, agentes da GM (Guarda Municipal) passaram a fazer a segurança do lugar de maneira fixa

Também no texto enviado à FOLHA, a empresa informou que deu 48 horas de prazo - que vence no início da semana que vem - para que o município resolva as demandas na unidade, sob possibilidade de pedir a rescisão do contrato. “É de conhecimento público que o Brasil todo está com alta demanda de atendimento pediátrico para síndromes gripais. Em Londrina o caso se agrava, pois, há falta destes profissionais também nas UBS. Quando eram para atuar 25 profissionais, há apenas 12, por parte do município. A consequência disso é a sobrecarga no PAI, gerando condições precárias de atendimento e trabalho que fora notificado ao município”, alegou. 

ATENDIMENTO PREJUDICADO 

Na manhã desta sexta-feira (27), a escala de médicos que atendiam no Pronto Atendimento Infantil estava completa, com cinco especialistas. “Cheguei por volta das 9h, estão chamando o número 33 e estou perto dos 50. Hoje até que está tranquilo, mas já teve dia recente que esperei mais de sete horas para conseguir atendimento para a minha filha”, relatou uma mãe. 

O secretário municipal de Saúde defendeu o serviço do PAI e disse que o problema da pediatria em Londrina é amplo. “O PAI é o único lugar que tem pediatra. A dificuldade é dos hospitais em conseguir manter a escala de pediatras, de modo que possa auxiliar o PAI, que minimamente tem deixado de cinco a seis pediatras à disposição da população. Entretanto, sendo o único local que atende pediatria, não só em Londrina, mas em toda a região, existe uma sobrecarga natural”, elencou. 

Machado ainda ressaltou que a unidade – que é de atendimento intermediário - tem registrado uma quantidade considerável de crianças internadas e na sala de emergência, o que prejudica o pronto-atendimento. “Estamos fazendo uma análise de pediatria equivocada. O problema é o PAI ter que atender toda a demanda que não é sua complexidade. Melhoramos a cobertura da escala do PAI, porém, o PAI sozinho não vai resolver o problema da pediatria”, pontuou. 

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.