ACESSO À EDUCAÇÃO -

'Devo muito ao Cursinho da UEL e aos professores'

Aprovados no vestibular da universidade londrinense contam como foi estudar em um ano cheio de desafios impostos pela pandemia da Covid

Micaela Orikasa - Grupo Folha
Micaela Orikasa - Grupo Folha

Com a 1º convocação do Vestibular 2021 divulgada no último dia 5, os resultados de quase um ano de aulas remotas do CEPV (Cursinho Especial Pré-Vestibular) da UEL (Universidade Estadual de Londrina) puderam ser avaliados. Nesta primeira etapa, dos 120 alunos que acompanharam as aulas pelo site do CEPV, 54 já garantiram uma vaga na universidade em cursos como administração, arquitetura e urbanismo, direito, medicina veterinária, design de moda e matemática.  


Essa conquista carrega um valor ainda maior diante dos desafios impostos pela pandemia da Covid-19. “Com as aulas remotas muitos alunos não estavam mais conseguindo acompanhar o conteúdo, sendo a maioria por dificuldades no acesso à internet ou mesmo, aos dispositivos eletrônicos”, explica a coordenadora do CEPV da UEL, Rita de Cássia Rodrigues Oliveira. 


NA TERCEIRA TENTATIVA 

Desde 1996, a Universidade oferece o serviço para estudantes em situação de vulnerabilidade social. Atualmente, são 450 vagas, divididas nos períodos noturno e vespertino. Porém, o número de matriculados em 2020 foi bem menor, com 120 estudantes. Entre eles estava Julia Marchiori de Oliveira, 20, que agora comemora o ingresso no curso de administração.

 

 “Os professores dão muitas orientações e assim conseguimos ter uma noção melhor sobre o que a prova da UEL cobra", afirma Julia Marchiori de Oliveira, aprovada em administração
“Os professores dão muitas orientações e assim conseguimos ter uma noção melhor sobre o que a prova da UEL cobra", afirma Julia Marchiori de Oliveira, aprovada em administração | Arquivo Pessoal
 


 

Essa foi a terceira tentativa de Marchiori para entrar na UEL. "Optei pelo curso porque pretendo prestar concursos públicos. Nas duas vezes anteriores, eu tinha tentado engenharia civil, mas o curso é integral e acho que as oportunidades ficariam mais limitadas”, conta.  


Na primeira tentativa, Marchiori estudou por conta própria até que ficou sabendo do CEPV. “O cursinho me ajudou muito. Os professores dão muitas orientações e assim conseguimos ter uma noção melhor sobre o que a prova da UEL cobra. Além dessa segurança, o fato de eu estar tendo aulas com professores e em um serviço que é da universidade, a UEL não parecia ser algo tão distante assim”, comenta. 


LEIA TAMBÉM:

- Aos 65 anos, ex-morador de abrigo é aprovado no vestibular da UEL

- Do Nordeste para a UEL: conheça a história de aprovados no vestibular


PLANOS PARA O FUTURO

Braian do Vale Franco, 22, também está cheio de planos para o futuro. O primeiro passo já foi dado ao passar em medicina veterinária. Ele mora em Ibiporã (Região Metropolitana de Londrina) e conta que sempre alimentou o sonho de tornar as brincadeiras com os animais de estimação em uma profissão.  


“Quando vim para Londrina eu queria fazer um cursinho e fiquei sabendo através de amigos que poderia estudar no CEPV porque minha família estava atravessando uma situação financeira muito difícil. Foi assim que comecei a estudar para valer, tirando dúvidas com os professores pelas redes sociais e acompanhando as aulas pelo computador”, diz o jovem, na expectativa de começar a frequentar logo as aulas do curso. “Até voltar o ensino presencial, vou seguir estudando online e trabalhando com meu pai”, conta.  



EDUCAÇÃO ABRE PORTAS

Para Erondi Meira, 51, poder estudar na UEL é a realização de um grande sonho. “Esse foi meu segundo vestibular. No primeiro ano eu estudei por conta própria e foi muito difícil. Fiquei sabendo do CEPV no noticiário e me matriculei porque eu não tinha condições de pagar uma mensalidade. Passei a estudar todas as tardes pelo computador e agora é entrar de cabeça no curso. A escola da vida é uma coisa, mas a formação é muito necessária e isso eu devo muito ao CEPV e aos professores. A educação abre portas e quem sabe posso até melhorar meu negócio futuramente”, conta ele, aprovado em administração. Meira trabalha como motorista de aplicativo e vende bolos e pães para cobrir as despesas de casa. Ele é casado e tem dois filhos. 

 

Erondi Meira, 51 anos, diz que estudar na UEL é a realização de um sonho: "A escola da vida é uma coisa, mas a formação é muito necessária"
Erondi Meira, 51 anos, diz que estudar na UEL é a realização de um sonho: "A escola da vida é uma coisa, mas a formação é muito necessária" | Arquivo Pessoal
 



MAIS APROVAÇÕES 

Com a 2ª convocação que será divulgada pela Cops (Coordenadoria de Processos Seletivos), às 12h desta terça-feira (13), o  número de estudantes do CEPV aprovados pode ser ainda maior. “Estamos muito felizes com essas 54 pessoas que entraram nessa primeira chamada. A UEL tem ainda cerca de 300 vagas para alunos via Enem e estamos esperando que esse número aumente. Já tivemos mais de 100 aprovados no vestibular de uma turma de 400 alunos. Nesse último ano, tivemos só 120 alunos que se mantiveram nas aulas o tempo todo e o resultado já é muito bom”, comenta Oliveira. As aulas online estão disponíveis no site do CEPV (https://www.cursinhodauel.net/), com acesso livre para quem quiser assistir. 

 


Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1. 

 

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo