|
  • Bitcoin 142.067
  • Dólar 4,8773
  • Euro 5,1471
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 26/01/2022, 19:37

Com novas doses, vacinação infantil avança em Londrina

Paraná recebeu nova remessa de imunizantes contra Covid para crianças e adolescentes; para influenciadora vacina é um pacto coletivo

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha
menu flutuante

Com uma nova remessa de vacinas contra Covid-19 para crianças e adolescentes enviadas ao Paraná na terça-feira (25), incluindo doses da CoronaVac, a imunização infantil deve avançar nos próximos dias. Em Londrina, o agendamento para crianças a partir de 8 anos, sem comorbidades já está disponível no site da prefeitura.  Estão aptas a fazer o agendamento, com o cadastro validado, 6.476 crianças dentro desta faixa etária

Desde que a vacinação de crianças entre 5 a 11 anos foi iniciada no município, no dia 17 de janeiro, a procura tem sido menor que o esperado. A estimativa da secretaria municipal de Saúde é de que Londrina tenha aproximadamente 40 mil crianças entre 5 a 11 anos, mas até quarta-feira passada, apenas 16 mil cadastros haviam sido realizados no site da Prefeitura.

Imagem ilustrativa da imagem Com novas doses, vacinação infantil avança em Londrina Imagem ilustrativa da imagem Com novas doses, vacinação infantil avança em Londrina
|  Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha
 

LEIA TAMBÉM:

Crianças também podem sofrer efeitos da Covid longa

PACTO COLETIVO

A influenciadora e palestrante londrinense, Leila Donaria, 37, tem levantado a bandeira da vacinação nas redes sociais e conta que muitos pais interagem com ela através de mensagens. Muitos deles, com dúvidas a respeito da vacinação contra Covid-19. "Quando publiquei o vídeo do Gabi sendo vacinado, muitos pais vieram conversar comigo. Estamos vendo nos jornais que as vacinas salvam vidas. A volta das aulas estão aí e nós precisamos de mais segurança para esse retorno. Isso só é possível com a imunização. Ninguém garante que não virão mais outras variantes. Vacina diminui o risco de mortalidade e é isso que importa”, afirma.  

Leila Donaria com o filho Gabriel:  A volta das aulas estão aí e nós precisamos de mais segurança para esse retorno. Isso só é possível com a imunização" Leila Donaria com o filho Gabriel:  A volta das aulas estão aí e nós precisamos de mais segurança para esse retorno. Isso só é possível com a imunização"
Leila Donaria com o filho Gabriel: A volta das aulas estão aí e nós precisamos de mais segurança para esse retorno. Isso só é possível com a imunização" |  Foto: Arquivo Pessoal
 

Mãe de Gabriel, 6, que tem uma síndrome rara, e de Bia, 11, Donaria conta que esperou ansiosamente pela liberação da vacina para as crianças. “Quando abriu o cadastro fui uma das primeiras a levar a documentação do Gabinho. Reações como febre e dor no corpo são comuns às crianças em qualquer vacina, mas meus filhos não tiveram nada”, comenta.  O menino foi um dos primeiros imunizados no Paraná, no dia 15 deste mês. 

Donaria atuou como cientista por muitos anos e tanto ela quanto o marido, que é médico, defendem que “vacina é pacto coletivo. Assumimos isso quando nossos filhos nascem e não nos ficamos perguntando se vamos vacinar os filhos com vacina X e Y. A gente vai lá e vacina. Entendemos que a campanha de vacinação contra a Covid está liberada porque é seguro sim. Nos baseamos em estudos científicos e não em achismos. É preciso estar bem informado”, ressalta. 

LEIA MAIS:

+ Maioria dos internados em Londrina não tem esquema vacinal completo

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1