|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Saúde 5m de leitura Atualizado em 04/01/2022, 09:13

Imunidade coletiva divide opiniões entre epidemiologistas

Enquanto alguns especialistas afirmam que a imunidade natural, junto com o efeito das vacinas, proporcionaria uma fase menos severa da pandemia global, outros alertam que a Covid é imprevisível

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 04 de janeiro de 2022

Isabelle Tourné - France Presse
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Paris - A chegada assombrosa da variante ômicron ao cenário caótico da pandemia de coronavírus nos faz sonhar novamente com a perspectiva de imunidade coletiva, mas especialistas alertam que ainda é muito cedo para conclusões. O ministro da Saúde da França, Olivier Veran, ousou declarar no fim de semana que "esta quinta onda pode ser a última", devido à velocidade com que a ômicron, uma variante altamente contagiosa do coronavírus, está se espalhando, de forma aparentemente menos perigosa. 

Imagem ilustrativa da imagem Imunidade coletiva divide opiniões entre epidemiologistas
|  Foto: DIBYANGSHU SARKAR / AFP
 

Um cenário otimista, segundo Alain Fischer, responsável pela campanha de vacinação na França. "Talvez estejamos testemunhando um início de evolução para um vírus mais banal, como muitos outros que já conhecemos", declarou nesta segunda-feira(3). 

A imunidade natural, junto com o efeito das vacinas, proporcionaria uma fase muito menos severa da pandemia global. "Há esperança", diz o epidemiologista Arnaud Fontanet.  "O Sars-CoV-2 poderia se juntar a outros coronavírus humanos que causam resfriados e dor de garganta a cada inverno", explica ele. 

"Ainda não estamos próximos. Podemos prever que novas variantes vão aparecer, mas nossa imunidade será fortalecida com o tempo, seja por infecção natural ou com doses de reforço da vacina", indica. 

Mas antes disso haverá previsivelmente "um alto número de infecções na população", disse o diretor do ministério da Saúde de Israel, Nachman Ash, no domingo.

LEIA TAMBÉM:

Aumento gradual de testes positivos de Covid preocupa superintendente do HU

- Criança de nove anos tem morte confirmada por Covid-19 em Maringá

NOVA VARIANTE?

Os riscos de sobrecarga dos sistemas de saúde são altos. Embora mais benigna, o impacto da ômicron ainda não foi determinado. E se houver novas variantes, a imunidade coletiva pode ser prejudicada com mais mortes. 

"Ainda espero que o vírus se torne semelhante aos dos resfriados, talvez nos próximos dois anos", disse Julian Tang, virologista e professor da Universidade de Leicester, citado pela organização britânica Science Media Center. 

"Se quisermos começar a aprender as lições do passado recente desta pandemia, a primeira coisa a lembrar é que é muito imprevisível", disse o epidemiologista Antoine Flahault à AFP. Em sua opinião, o conceito de imunidade coletiva é "puramente teórico". 

“Parece que a imunidade das vacinas protege de forma eficaz contra as formas graves da doença, mas não de forma igual a todos os vacinados”, explica. “A imunidade adquirida naturalmente também parece fornecer uma espécie de proteção, principalmente contra as formas graves, embora nada esteja totalmente certo”, acrescenta. 

Flahault, que atualmente dirige o Instituto de Saúde Global em Genebra, acredita que todas as possibilidades permanecem abertas, incluindo um impacto maior do que o previsto da variante ômicron ou simplesmente o surgimento de novas mutações. "Estou convencido de que não será a última onda", disse Eric Caumes, ex-diretor do serviço de doenças infecciosas do hospital La Pitié Salpêtrière em Paris, no domingo. “Mas talvez seja a última com essa intensidade”, diz.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM