|
  • Bitcoin 102.295
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Saúde

m de leitura Atualizado em 16/05/2022, 03:09

Associação leva discussão sobre saúde mental para escolas em Londrina

Psicólogas usam palestras e bate-papo para ajudar professores e estudantes da rede pública a identificar os problemas e onde buscar ajuda

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 16 de maio de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Folha Arte
menu flutuante

Inquietação, falta de concentração e ar, fadiga, ataques de pânico, preocupação excessiva, medo e boca seca. Todos são sintomas de ansiedade. Mas quando eles são sentidos por alunos e dentro da sala da aula, o que fazer? É justamente isso que a Associação Senda, de Londrina, tem buscando esclarecer e conscientizar por meio de um projeto social que tem levado a discussão da saúde mental para dentro dos colégios públicos. 

Com palestras, slides, cartilhas e muito bate-papo, psicólogas têm ajudado professores e estudantes a identificarem o que é a ansiedade, quando configura crise, onde procurar ajudar e como tratar o que já vem sendo classificado como o mal do século. “O projeto surgiu da necessidade de situações dentro das escolas que chegaram para nós. Evidências de adolescentes tendo crise de ansiedade na sala e o professor não sabia o que fazer”, explica a psicóloga Mariana da Silva Fernandes. 

Segundo a psicóloga Larissa Michelle Moreira de Souza, a ansiedade se torna transtorno quando passa a atrapalhar a rotina, gerando prejuízos e sofrimento. “A pessoa tem tremedeira, o coração acelera. Ensinamos algumas técnicas de como controlar, como por exemplo, a respiração, o professor sair da sala com o aluno, o colega ajudar, ele passar gelo no corpo, falar de outros assuntos. São orientações básicas, mas essenciais.” 

. .
. |  Foto: iStock
 

LEIA TAMBÉM:

Saúde mental ao alcance de todos

+ 'Maio Furta-Cor' pela saúde mental materna

Desde o final de março, as profissionais percorreram sete escolas estaduais de Londrina, contemplando turmas do 8º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. O projeto é liderado por seis psicólogas formadas e conta com o reforço de alunos do curso de psicologia da UEL (Universidade Estadual de Londrina). “Saúde mental não é brincadeira”, lembram. 

INVALIDAÇÃO DO SENTIMENTO 

As psicólogas destacam que durante as conversas com os estudantes e o questionário que respondem depois da palestra, surgem muitos relatos que mostram a invalidação dos sentimentos dos adolescentes. “Muitas vezes os pais não dão atenção, falam que é frescura, dizem que não precisa procurar ajudar. A família não pode invalidar o sentimento do filho. Vemos situações de aluno que vai fazer prova e não consegue, apresenta trabalho e passa mal. Às vezes os pais só vão olhar para o adolescente quando estiver surtado”, comenta Mariana de Oliveira Rodrigues. 

As profissionais alertam que se a ansiedade do jovem não for tratada com seriedade pelo colégio e as famílias, outras questões psicológicas podem surgir, levando este adolescente até a automutilação. “Buscamos ajudar para que os adolescentes se reconheçam dentro do sofrimento e vejam que existe tratamento. Existe um caminho de possibilidades para procurar ajuda. O jovem é o futuro. Se não tratarmos e cuidarmos agora, teremos uma sociedade de adultos doentes”, frisam. 

EDUCADORES 

A ideia é que o projeto “Saúde Mental nas Escolas” seja ampliado e também direcionado para os professores. “Queremos falar com os professores sobre a vida particular deles e não apenas da sala de aula. Olhar para o todo e não apenas o trabalho. A intenção é ter uma perspectiva mais acolhedora, já que a vida particular influência o trabalho e vice-versa", detalharam Juliana Cristina de Oliveira e Rayane Kelly Leandro da Silveira. Outra possibilidade é trabalhar com foco nas demandas específicas de cada colégio. 

“Esta experiência tem sido produtiva e de crescimento profissional e pessoal. Temos mostrado a importância da empatia, da informação e que os estudantes não precisam lidar com os sentimentos sozinhos”, valorizaram as psicólogas da “Senda”. 

SERVIÇO - Quem quiser mais informações sobre o projeto ou levar as palestras para o colégio pode entrar em contato pelos telefones (43) 3337-7793 e (43) 99959-9130 (WhatsApp). 

Projeto é realizado por psicólogas formadas e  conta com reforço de alunos do curso da UEL Projeto é realizado por psicólogas formadas e  conta com reforço de alunos do curso da UEL
Projeto é realizado por psicólogas formadas e conta com reforço de alunos do curso da UEL |  Foto: Divulgação
 

SAIBA MAIS:

Grupo de 26 estudantes de Recife teve crise de ansiedade

PROFESSORAS RELATAM MAIOR INSTABILIDADE DOS ALUNOS NA PANDEMIA 

Além dos desafios específicos ligados à educação, quem está na “linha de frente” do ensinar também se depara com outras demandas trazidas pelos estudantes. Entre professores, pedagogos e diretores têm sido unanimidade que a pandemia da Covid-19 deixou a saúde mental dos adolescentes mais vulnerável. O reflexo aparece na escola e precisa ser enfrentado. 

“Eles não estão conseguindo controlar alguns sentimentos e emoções que antes até conseguiam. Conseguimos fazer um comparativo de que eles ficaram muito tempo fora de um ambiente onde precisam lidar com conflitos internos e externos. Voltando para sala de aula, acabam entrando em contato com essas situações e não têm domínio suficiente para arcar com os sentimentos”, analisa Bruna Paula Magro dos Santos, professora pedagoga há dois anos em instituições públicas de ensino. 

Com tantos problemas latentes, o rendimento na aprendizagem fica deficitário. “O impacto é fulminante, pois as crises de ansiedade são identificadas num grupo significativo de alunos. Estes não conseguem permanecer nos grupos de sala de aula e a todo momento buscam suporte e colo naqueles com os quais se identificam mais”, pontua Karina Mafra Furtado, professora pedagoga há dez anos e que há quatro anos está na direção de um colégio estadual de Londrina. 

As professoras tiveram as palestras do projeto “Saúde Mental nas Escolas” nas instituições onde trabalham e ressaltam que discutir este tema é necessário. Também apontam a carência de assistência para os estudantes. “Tanto os alunos, quanto os profissionais que trabalham no ambiente escolar precisam ter o suporte básico e necessário para tentar auxiliar em momentos de dificuldades emocionais e de qualquer outro cunho. Dessa maneira, faz com que os alunos se sintam mais seguros para compreender seus sentimentos", afirma Bruna Santos. 

“No atual contexto, a função da escola deixou de ser um espaço exclusivo para construção do conhecimento científico, por receber demandas tão significativas que precisam ser acompanhadas e com intervenções pontuais, porém, a ausência de profissionais capacitados impede que o trabalho dos profissionais de educação seja realizado de forma completa e com maestria. Que haja profissionais especializados nas escolas, seja por meio de parcerias, implantação destas funções no espaço escolar, mas que existam”, pede Karina Furtado. 

*****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.