|
  • Bitcoin 102.798
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 30/05/2022, 08:31

Mau comportamento é o principal motivo de demissão de servidores municipais

Secretaria de Saúde foi o órgão com mais exonerações; Prefeitura de Londrina desenvolve programas sobre direitos e deveres dos funcionários

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 30 de maio de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Gustavo Carneiro
menu flutuante

A maioria dos funcionários públicos municipais exonerados nos dois últimos anos deixou a Prefeitura de Londrina por não se comportarem bem no serviço. É o que mostra um levantamento feito pela FOLHA a partir de números da Corregedoria-Geral do Município. Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação. 

Entre março de 2020 e o mês de 2022, 20 servidores foram demitidos, 14 deles pelo inciso III do artigo 215 do Estatuto dos Servidores Públicos Civis de Londrina. O trecho elenca três casos para o desligamento: incontinência, má conduta ou mau procedimento. "Em termos mais simples, todos podem ser substituídos pelo mau comportamento", descreveu o corregedor-geral da prefeitura, Jefferson Bento Costa. 

Segundo ele, a incontinência significa "os excessos relacionados a hábitos ou costumes inconvenientes através da linguagem ou de gestos, como a pornografia, obscenidade e desrespeito aos colegas". 

Já a má conduta representa "o comportamento incorreto do servidor, que se caracteriza por atos que ferem o respeito, a dignidade, a moralidade e outros princípios que norteiam a administração pública", como explicou Costa. 

Por último, o mau procedimento "refere-se a procedimentos incorretos, em desacordo com orientações técnicas e que, em razão disso, não atendam a finalidade pretendida", pontuou. 

"Cada caso é um caso. Na verdade, dentro do artigo 215, a má conduta é o principal motivo das demissões confirmados pela Corregedoria. Acredito que este fato reforça a necessidade do servidor manter uma conduta correta e atenta aos deveres constantes no estatuto", observou o corregedor. 

QUEM SÃO

O balanço da FOLHA revela que a Secretaria de Saúde foi a pasta com mais funcionários demitidos, 7 no total. Entre eles estão motorista de veículos pesados, técnico de saúde pública, dois médicos e agentes comunitário e de endemias. 

Na sequência está a Secretaria de Educação com três servidores, sendo duas professoras, e a Secretaria de Defesa Social com três exonerações de guardas municipais. A Prefeitura de Londrina tem hoje aproximadamente 10 mil funcionários. 

CASOS FAMOSOS

Entre os profissionais demitidos, está o médico que trabalhava no posto de saúde do Jardim Eldorado, na região leste, e deixou a função para fazer um curso fora do Brasil sem justificar as faltas. Foram mais de 570 ausências. 


Durante o processo administrativo, o especialista alegou que entrou com um pedido para se aposentar. Segundo a Corregedoria, ele viajou ao exterior antes da análise do requerimento. A defesa classificou a demissão como injusta. 

Outra investigação famosa foi a do fiscal da Sema (Secretaria Municipal do Ambiente) desligado da prefeitura por suposto envolvimento em um esquema de corrupção apurado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). 

De acordo com os promotores, o funcionário teria cobrado propina de empresários para não fiscalizar crimes ambientais. Ele foi alvo da Operação Vastum, de julho de 2018. 

O mais recente foi o da procuradora que viajou aos Estados Unidos para visitar a filha e os netos. Segundo a defesa, a então servidora foi diagnosticada com depressão grave por causa da Síndrome de Burnout. 

Ela teria feito a viagem por recomendação médica. Para a Corregedoria, a ex-funcionária "priorizou atividades particulares no período de atestado médico, o que configura má conduta". 

CAPACITAÇÃO

Diante dos motivos das últimas exonerações, a Secretaria Municipal de Recursos Humanos tem buscado entender as dificuldades enfrentadas pelos servidores. Alguns programas específicos para identificar esses obstáculos foram criados pela pasta, como o RH Acolhe, que oferece, por exemplo, atendimento individual de escuta. A ação tem como objetivo estimular o engajamento e produtividade dos trabalhadores municipais. 

"Outro ponto importante é atualizar constantemente o servidor sobre os direitos e deveres, como diz o estatuto. Muita gente não conhece, não tem acesso à internet para se informar. Por isso, criamos o Café com RH, onde debatemos assuntos da administração pública, os benefícios, as normas internas", declarou a secretária de Recursos Humanos, Julliana Faggion Bellusci. 

*****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1