|
  • Bitcoin 124.682
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 04/07/2022, 18:39

Ex-vereador de Arapongas acusado de agredir mulheres é solto

Pastor do Mercado estava preso desde janeiro em Londrina e tenta retomar o mandato na Câmara Municipal após ter sido cassado

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 04 de julho de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A Justiça de Arapongas (Região Metropolitana de Londrina) liberou da prisão o ex-vereador Paulo César de Araújo, o Pastor do Mercado, acusado de agredir ao menos três mulheres. A decisão saiu na última sexta-feira (1º), mas o alvará de soltura foi cumprido no sábado (2). 

LEIA MAIS

Vereador de Arapongas é preso acusado de agredir três mulheres

Araújo foi preso pela Polícia Civil em janeiro após a expedição de um mandado judicial. O processo corre em sigilo. "A juíza da 1ª Vara Criminal considerou que ele já estava detido por muito tempo, ainda mais porque pedimos diligências no caso", informou o advogado Sérgio Barroso, que defende o ex-parlamentar. 

camara municipal de arapongas - folha de londrina - fotos: gustavo carneiro - 01/02/22 camara municipal de arapongas - folha de londrina - fotos: gustavo carneiro - 01/02/22
camara municipal de arapongas - folha de londrina - fotos: gustavo carneiro - 01/02/22 |  Foto: Gustavo Carneiro/Grupo Folha
 

Barroso, no entanto, preferiu não revelar qual foi o pedido da defesa, alegando que a investigação tramita em segredo de justiça. "Ele (ex-vereador) sempre afirmou que é inocente. Esperamos que seja absolvido no final", explicou. 

PROCESSO

De acordo com o advogado, Pastor do Mercado, as vítimas e outras testemunhas foram ouvidas pela Justiça. Uma das mulheres agredidas é uma idosa de 62 anos. Ela disse que recebeu diversas lesões no braço e até precisou passar por cirurgia. 

LEIA MAIS

Pastor do Mercado tem mandato cassado pela Câmara de Arapongas

Enquanto esteve preso, o ex-vereador teve o mandato cassado pela Câmara de Arapongas. Ele estava filiado ao União Brasil. Foram 13 votos favoráveis e uma abstenção. A sessão durou 10 horas e ocorreu no início de maio. 

TENTATIVA

O político tenta recuperar o cargo no Legislativo. A defesa dele entrou com uma ação na Vara Cível de Arapongas para anular a cassação. "Houve vários erros. As supostas vítimas não compareceram pra serem ouvidas e a Comissão Processante se baseou apenas nos depoimentos dados na delegacia", pontuou Sérgio Barroso, que foi delegado-chefe da 10ª Subdivisão Policial de Londrina nos anos 2000. 

O advogado afirmou que seu cliente não teve o direito de apresentar o outro lado da história. "Nenhuma prova concreta que poderia cassar o mandato dele foi apresentada". A anulação está sendo analisada pelo Ministério Público, que tem até esta semana para dar seu parecer.  

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link