|
  • Bitcoin 121.439
  • Dólar 5,0555
  • Euro 5,2186
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 01/08/2022, 18:45

Após críticas, AL recua sobre veto em lei de resíduos sólidos

Deputados decidem pelo não recebimento de lixo de outros estados após declaração do governador de que iria à Justiça contra decisão

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 01 de agosto de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Orlando Kissner/Alep
menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Após críticas, AL recua sobre veto em lei de resíduos sólidos Imagem ilustrativa da imagem Após críticas, AL recua sobre veto em lei de resíduos sólidos
|  Foto: Orlando Kissner/Alep
 

O presidente da AL (Assembleia Legislativa) do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSD), leu uma nota na abertura da sessão plenária desta segunda-feira (1º) afirmando que o veto parcial ao Projeto de Lei 67/2022 não será promulgado. Na prática, a Casa volta atrás na decisão de permitir que o Paraná receba resíduos sólidos de outros estados. A medida ocorre após repercussão negativa sobre mudanças na lei ambiental votadas pelos deputados semana passada e dois dias depois de o governador Ratinho Junior (PSD) afirmar, em entrevista coletiva, que iria acionar a Justiça para manter o veto a essa permissão. Na votação da lei, a própria base de Ratinho Jr. no Legislativo havia formado maioria para derrubar o veto do chefe do Executivo ao trecho que permitiria ao Estado fazer o tratamento de resíduos de outros entes da federação.

O tema também tinha sido alvo de questionamentos de deputados de oposição, que prometeram entrar com uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra o que foi decidido pela maioria na sessão do dia 25 de julho. 

De acordo com Traiano, em reunião nesta segunda-feira com parlamentares da situação e oposição a maioria absoluta dos deputados decidiu não promulgar a lei pela Assembleia Legislativa. "Em razão das interpretações diversas e para resguardar o compromisso ambiental, não promulgaremos nem publicaremos os dispositivos vetados, tornando sem efeito o veto derrubado. Essa decisão foi tomada após novos debates com os parlamentares da situação e da oposição", diz a nota. 

Leia tambémGovernador insiste no veto à lei que permite recebimento de lixo no PR

                          Oposição tentará ADI contra promulgação de lei sobre resíduos sólidos

No documento, o presidente da Casa ainda rechaça qualquer relação entre a aprovação da derrubada do veto do governador com  interesses de empresas particulares. "Repudiamos as afirmações de que qualquer deputado estadual tenha tomado suas decisões sem considerar todos os aspectos a partir do estrito interesse público". No comunicado, a Assembleia afirma que "a intenção da lei é modernizar as regras, facilitar o transporte e reduzir distâncias entre os geradores e o destino final dos resíduos, de modo a minorar o dano ambiental". Traiano ainda afirma que o debate foi amplo e, após emendas, a proposição foi aprovada por unanimidade dos deputados e sancionada em parte pelo chefe do Executivo.  "A proposta manteve a exigência de licenças ambientais e uma rigorosa documentação para os aterros.", afirma a nota.

Traiano ainda frisa que apenas dois dispositivos foram vetados pelo Executivo, que traziam soluções logísticas para os resíduos produzidos em Estados vizinhos. "É bom ressaltar que a legislação atual já permite o recebimento quando existe conurbação entre cidades fronteiriças."  

OPOSIÇÃO

Já deputados da oposição emitiram outra nota discordando do teor do comunicado divulgado pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. Segundo os parlamentares, a oposição considera positiva a decisão da Assembleia de não promulgar nem publicar os dispositivos vetados pelo Poder Executivo, tornando sem efeito o veto derrubado. Entretanto, critica a tramitação do projeto e a forma com que passou pelo plenário da AL sem amplo debate técnico. "A oposição votou contra o PL na primeira discussão em 30 de março, obtendo oito votos contrários, considerando a inconstitucionalidade formal e material da proposição; e votou contra o pedido de Regime de Urgência, que acelerou a tramitação da proposta e prejudicou o devido processo legislativo e a participação da sociedade".   

A nota assinada por deputados do PT e PDT ainda pontua que  não houve manifestação técnica da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo e que a matéria não considerou fundamentos levantados pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1