|
  • Bitcoin 234.292
  • Dólar 5,5134
  • Euro 6,2536
Londrina

Opinião 5m de leitura Atualizado em 15/01/2022, 07:39

OPINIÃO DO LEITOR: Tempos atuais, tempos estranhos

Leitores falam sobre o politicamente correto e a eficiência (ou a falta dela) no Poder Judiciário

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Adriana de Cunto - Diretora de Redação
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Durante um tempo, logo no seu início, achei que a "modinha" do "politicamente correto" seria mais uma das tantas que, nesses dias onde tudo é descartável e volátil, passaria logo. Mas não passou e o que era algo mais ligado à forma de se expressar avançou para todas as áreas da vivência humana, tornando muito, muito difícil a convivência com o nosso semelhante. Porque toda e qualquer ação, hoje em dia, é passível de mil interpretações - excetuando-se, claro a sua razão primeira. Impressiona-me a quantidade de pessoas que, possivelmente com dificuldades para entender um texto ou uma verbalização, independente de sua graduação, se autoincriminam, gratuitamente, a partir de palavras e atos de outrem. Fala-se algo de uma forma genérica e abrangente para todo um setor social e logo aparece alguém que levanta um estandarte e grita aos quatro ventos, ou mais, que "sente-se agredido, difamado, injuriado" e que clama por uma reparação, uma retratação e talvez até uma indenização. Aprendi com minha finada mãe que a isto dá-se o nome de "enfiar a carapuça, até o pescoço". As pessoas deveriam ter mais cuidado quando decidissem reagir ao que quer que seja.

Nina Cardoso (psicóloga) Londrina 

LEIA TAMBÉM: 

- Dom Quixote brasileiro

- A eleição será pautada pela economia 

Propaganda enganosa 

Em cerimônia de posse do paranaense José Laurindo de Souza Netto, como novo presidente do Conselho de Tribunais de Justiça (Folha de Londrina, 11/01), o ministro do STF, Dias Toffoli, disse textualmente em seu discurso: "Não há poder judiciário no mundo mais eficaz que o poder judiciário do Brasil. Nós temos aqui vários ramos de justiça, não deixamos de funcionar um momento sequer, aumentamos a produtividade e a eficácia. Com isso, tivemos uma atuação reconhecida pela sociedade brasileira."

Misericórdia! É muita pretensão! É impossível ouvir isso e ficar calado. Parece até que nós e Toffoli vivemos em países diferentes. Não dá para aceitar tamanha imaginação ilusória e visão equivocada do judiciário. Será que ele não tem, por exemplo, percepção da lentidão crônica que provoca a prescrição de crimes, depois do processo esperar por décadas pelo julgamento? Pelas suas palavras podemos medir o tamanho do fosso que separa a imagem de eficiência que credita à sua instituição e o que realmente pensa a sociedade sobre a Justiça brasileira.    

O nosso judiciário é caro, tem os maiores salários entre os poderes da República e está classificado entre os 30 mais lentos do mundo. Como referência, somente o STF gasta em média 600 milhões de reais/ano, com um escandaloso quadro em torno de 2.000 funcionários, entre concursados e terceirizados, para dar suporte ao trabalho dos seus 11 ministros e suas surreais mordomias. A evidente tolerância com os crimes do colarinho branco, o elevado nível de impunidade observado nas decisões da instituição e a nefasta morosidade na gestão processual são outros fatores fortemente repudiados pela população, que não credenciam a distinção do nosso Judiciário no patamar dos países mais desenvolvidos e mais civilizados, como quer Toffolli.    

Ludinei Picelli (administrador de empresas)

Correção

Em relação ao título da manchete da edição desta quinta-feira (13), a informação correta é: Sesa declara epidemia de H3N2. Apenas a Covid-19 tem status de pandemia decretada pela OMS (Organização Mundial de Saúde)

A opinião dos autores não reflete, necessariamente, a opinião da FOLHA 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM