|
  • Bitcoin 141.700
  • Dólar 4,8113
  • Euro 5,1429
Londrina

ESPAÇO ABERTO

m de leitura Atualizado em 14/03/2022, 20:01

Agricultura do Paraná: crise e oportunidades para agir agora e repensar o futuro

Quando foi solicitada a contribuir com o desenvolvimento do país, a agricultura do Paraná sempre se colocou como um importante vetor

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 15 de março de 2022

Ricardo Rocha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Nossa agricultura, que sempre puxou o desenvolvimento de nosso Estado, merece agora um olhar cuidadoso, apoio devido, ações imediatas e reflexão para seu futuro. Referência mundial em tecnologia, batendo recordes de produção, exportação, geração de emprego e renda, se destaca como responsável por 33,9% do PIB (Produto Interno Bruto) paranaense. Apesar desse histórico glorioso, o ano de 2022 começou com problemas até pouco tempo não imaginados para o setor. Um dos fatores foi a recente crise hídrica, que impactou diretamente a economia e os resultados da safra de verão em todo o Estado.

Neste cenário, devem entrar em ação as políticas públicas distributivas - instituídas nacionalmente para resolver problemas de forma eficiente em áreas extensas - cujos programas contam com recursos financeiros, planejamento para aplicação, fiscalização dos investimentos, avalição periódica e aperfeiçoamento estabelecidos conforme regras e conhecimento técnicos.

LEIA MAIS: Curso gratuito foca seguro rural para grãos 

Quando foi solicitada a contribuir com o desenvolvimento do país, a agricultura do Paraná sempre se colocou como um importante vetor. Agora é a hora de ser apoiada, pois sua longa lista de contribuições a habilita para ter prioridade em momento que necessita de ajuda.

Imagem ilustrativa da imagem Agricultura do Paraná: crise e oportunidades para agir agora e repensar o futuro Imagem ilustrativa da imagem Agricultura do Paraná: crise e oportunidades para agir agora e repensar o futuro
|  Foto: iStock
 

Atualmente, o governo federal coordena o seguro rural privado no qual são seguradas lavouras de produtores classificados como médios e grandes, sendo os pequenos amparados com o seguro governamental do PROAGRO (Programa de Garantia da Atividade Agropecuária). Neste seguro privado, onde temos hoje 18 seguradoras operando na área rural, os governos estaduais e federais atuam com subvenções que atingem até 40% do valor do prêmio que o produtor paga, uma vez que este é um investimento elevado.

LEIA MAIS: UEL desenvolve vacina inédita contra toxoplasmose suína 

O governo do Paraná, em algumas safras, também tem subvencionado algumas culturas, mas ainda é preciso a elaboração de um plano estratégico de subvenção de culturas de interesse social, proporcionando mais segurança na atividade. É preciso ressaltar que muitos produtores não tiveram acesso ao seguro e nem ao Proagro, seja por desconhecimento ou falta de crédito, ou até mesmo por falta de um responsável técnico que oriente o agricultor, principalmente o pequeno produtor, que em sua maioria, trabalha sem assistência técnica.

Neste sentido, o Crea-PR tem atuado para contribuir com esse processo. Ao firmar o Acordo de Cooperação – ART Social (um incentivo do Conselho ao desenvolvimento da Agricultura Familiar no Paraná) com a OCEPAR (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná) e diversas Cooperativas de nosso estado, criando condições de recolhimento de ART Social junto aos pequenos produtores rurais, facilitando que o profissional possa, de fato, prestar a devida assistência técnica.

Apesar de importantes avanços já obtidos, é preciso ir além. A atual conjuntura exige um olhar mais efetivo de nossos governantes, a partir de propostas de flexibilização de suporte que permitam o desenvolvimento da economia. E, nessa luta, as entidades, incluindo o Crea-PR, estão à disposição para o planejamento de um caminho efetivo: o trâmite ágil do seguro agrícola, bem como a prorrogação de financiamentos de investimento e linhas de crédito especiais para o financiamento da atividade que sejam capazes de evitar que os produtores, além de não possuírem receita, também fiquem inadimplentes. Esses são caminhos que devem ser considerados e discutidos.

É pela sensibilidade ao momento que vivemos e pelo conhecimento técnico sobre seu impacto social e econômico que pedimos flexibilização, urgência e efetividade nas ações governamentais voltadas aos produtores prejudicados pela crise hídrica no Paraná. Não compreendemos que a situação seja de criação de novas políticas, mas do cumprimento integral das propostas já anunciadas aos brasileiros por nossos governantes.

Somos um conselho profissional que defende interesses sociais e, por isso, seguimos contribuindo para a construção de um futuro melhor, acompanhando e fiscalizando as medidas públicas que impactam diretamente a sociedade na qual estamos inseridos e pela qual trabalhamos.

Em toda crise ocorre um importante momento de discussão, uma janela de oportunidade: nossa agricultura paranaense, com seu belo histórico de desenvolvimento coletivo merece um novo olhar, para um futuro melhor. Vamos juntos aproveitar essa oportunidade!

Por Ricardo Rocha, presidente do Crea-PR

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]