|
  • Bitcoin 119.766
  • Dólar 5,1840
  • Euro 5,2775
Londrina

Mundo

m de leitura Atualizado em 04/07/2022, 16:09

Chile finaliza Constituição que pode virar página da ditadura

Até 4 de setembro, quando a população decidirá nas urnas se acata ou não a nova Carta

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 04 de julho de 2022

Mayara Paixão/ Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Gabriel Boric recebeu nesta segunda-feira (4) a versão final daquela que pode ser a nova Constituição do Chile. Agora, inicia o teste de fogo de seu governo, prestes a completar quatro meses. Até 4 de setembro, quando a população decidirá nas urnas se acata ou não a nova Carta, o esquerdista tem a missão de fazer crescer os índices de aprovação, tanto do novo código quanto de sua própria gestão. 

A redação de uma nova Carta foi aprovada há dois anos em um plebiscito histórico após uma onda de protestos, em grande parte assentados em insatisfações socioeconômicas. A redação de uma nova Carta foi aprovada há dois anos em um plebiscito histórico após uma onda de protestos, em grande parte assentados em insatisfações socioeconômicas.
A redação de uma nova Carta foi aprovada há dois anos em um plebiscito histórico após uma onda de protestos, em grande parte assentados em insatisfações socioeconômicas. |  Foto: Javier Torres/AFP
 

Fosse hoje a votação, as chances de o texto ser rejeitado e de país permanecer com a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet seriam grandes. Pesquisa do instituto Cadem divulgada no domingo (3) mostra que 51% dos chilenos dizem que recusariam a nova Carta. Outros 34% afirmam que a aprovariam, e 15% não souberam responder. 

O cenário difere do observado em fevereiro, quando os números quase se invertiam: 56% diziam sim à nova Constituição, e 33% eram contrários. Dois fatores pesam na mudança de cenário, segundo analistas: a desinformação em torno do conteúdo do documento e o alargamento das propostas contempladas, que dificulta o diálogo com setores conservadores. 

 LEIA TAMBÉM:

+ Fora de casa, Londrina vai em busca dos pontos perdidos

+ Entrega de revitalização da praça Dom Pedro fica para agosto

A redação de uma nova Carta foi aprovada há dois anos em um plebiscito histórico após uma onda de protestos, em grande parte assentados em insatisfações socioeconômicas, eclodir no país e pressionar o antecessor de Boric, Sebastián Piñera. Depois, uma Assembleia Constituinte foi eleita, alçando uma maioria de figuras de centro-esquerda para elaborar a nova Constituição. 

"A Constituinte resultou da insatisfação com a enorme desigualdade no Chile, mas acabou colocando numa caldeira as diversas manifestações locais e levando o país para um caminho que estava além do que uma parte dos manifestantes queriam", afirma Thiago Vidal, gerente de análise política para a América Latina da consultoria Prospectiva. 

O documento estabelece, por exemplo, o direito constitucional ao aborto por decisão voluntária. Hoje, o procedimento só é legal no país em três casos: se há perigo para a vida da mulher, se a gravidez foi decorrente de estupro ou se o desenvolvimento do feto é inviável - cenário semelhante ao do Brasil. 

Também dispõe sobre a criação de um sistema público de seguridade social a ser financiado por trabalhadores e empregadores - o Chile tem hoje um sistema de previdência por capitalização, privatizado - e sobre a instituição de um estado plurinacional, de modo a reconhecer os povos indígenas, como o fizeram Bolívia e Equador. 

Outro ponto sensível é a descentralização da administração: o Chile deixaria de ser um Estado unitário e passaria a ser um Estado regional, o que confere maior autonomia para regiões e comunas. 

"A proposta tem virtudes importantes, como permitir que as regiões possam adequar uma série de políticas públicas nacionais para a sua própria realidade, além de aproximar o governo local da cidadania", diz Esteban Szmulewicz, pesquisador da Universidade Católica do Norte. 

O Senado também ficaria para trás e daria lugar a uma Câmara das Regiões –que comporia o Legislativo ao lado da Câmara dos Deputados. Na prática, explica Szmulewicz, a expectativa é de que a Casa tenha um perfil menos elitizado do que a atual. 

Para se candidatar à Câmara, seria preciso ter no mínimo 18 anos – para o atual Senado, a idade mínima é 35. Os assentos também seriam distribuídos levando em conta a paridade de gênero e uma reserva para representantes indígenas. O mandato, hoje de oito anos, cairia para quatro, mantendo a possibilidade de reeleição. 

Ainda que o último rascunho antes da versão final da Constituição tenha sido tornado público, especialistas alertam para a ampla difusão de notícias falsas sobre o conteúdo, e Boric e seus ministros atribuem ao ambiente de desinformação a ampla rejeição ao texto. 

Em março, uma pesquisa capitaneada pela ONG Derechos Digitales com 1.400 chilenos mostrou que, dos que diziam buscar informações sobre a Constituição com frequência, 66% o faziam por meio das redes sociais. Ao menos 58% disseram ter se deparado com afirmações que depois descobriram serem falsas. 

A mais recente pesquisa do Cadem mostrou que a aprovação é maior entre os que leram o rascunho da nova proposta de Constituição – neste segmento, 37% dizem que votarão pelo sim, enquanto entre os que não leram são apenas 25%. 

A aprovação também é maior entre aqueles de 18 a 24 anos (43%) e entre os que se dizem de esquerda (73%). Dos que se identificam com a direita, somente 12% dizem que vão apoiar; dos de centro, 28%.

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.