|
  • Bitcoin 141.421
  • Dólar 4,8152
  • Euro 5,1437
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 24/03/2022, 16:49

Testemunhas dizem que incêndio teria começado no teto de supermercado em Ibiporã

Funcionários relataram que fogo se alastrou em poucos minutos; proprietário continua internado em estado grave no HU

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de março de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A Polícia Civil começou a ouvir as testemunhas que presenciaram o início do incêndio que destruiu o Supermercado Montana, no centro de Ibiporã (Região Metropolitana de Londrina). Três funcionários que estavam em diferentes pontos do estabelecimento na hora que o fogo se espalhou prestaram depoimento. Segundo o delegado Vitor Dutra de Oliveira, os trabalhadores foram escolhidos para entender a dinâmica das chamas. 

LEIA MAIS

Incêndio em supermercado de Ibiporã deixa uma pessoa morta

"Das pessoas que foram ouvidas, uma trabalhava na frente do supermercado, outra no escritório e a terceira estava na parte de trás. Elas disseram que o incêndio foi bem rápido e não demorou para que o imóvel fosse completamente tomado. Como já suspeitávamos, o fogo começou no teto e se alastrou pela lateral. Foi recolhido também um maçarico", relatou. 

Moradores mostram tristeza após incêndio em supermercado de Ibiporã

O equipamento teria sido usado por Anderson Rodrigues dos Santos, 43 anos, a única vítima fatal. Outras sete pessoas, incluindo o proprietário do supermercado, ficaram feridas. O empresário está internado em estado grave na ala de queimados do HU (Hospital Universitário). A assessoria de imprensa da unidade confirmou que ele sofreu queimaduras nas vias aéreas e está intubado. 

Imagem ilustrativa da imagem Testemunhas dizem que incêndio teria começado no teto de supermercado em Ibiporã Imagem ilustrativa da imagem Testemunhas dizem que incêndio teria começado no teto de supermercado em Ibiporã
|  Foto: Arquivo FOLHA
  

"Tinha mais um rapaz com o Anderson no teto, mas ainda não temos mais informações sobre a identidade e a empresa que prestou esse serviço. A princípio, não houve intenção de provocar o incêndio. Porém, é cedo pra chegar a qualquer conclusão", disse Oliveira. O trabalhador que morreu foi sepultado no cemitério municipal de Ibiporã. Ele deixou três filhos e a esposa, com que era casado há quase 25 anos.

A previsão é que o inquérito seja concluído em até 30 dias, mas o delegado não descarta estender esse prazo.