|
  • Bitcoin 109.566
  • Dólar 5,2393
  • Euro 5,5219
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 13/06/2022, 19:16

Prefeitura diz que não pode multar Sanepar pelo atual contrato

Em reunião no Ministério Público, prefeito Marcelo Belinati defendeu mudanças no acordo

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 13 de junho de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Rafael Machado - Grupo Folha
menu flutuante

A Prefeitura de Londrina quer alterar o contrato com a Sanepar (Companhia Paranaense de Saneamento) para ter mais autonomia na hora de multar a empresa pelos buracos abertos pela terceirizada, a Esac. Segundo o prefeito Marcelo Belinati (PP), o acordo assinado em 2015, ainda na gestão Alexandre Kireeff, dificulta a fiscalização. 

O impasse foi tema principal de uma reunião realizada na tarde desta segunda-feira (13) no Ministério Público. O encontro foi convocado pelos promotores do Patrimônio Público, Ricardo Benvenhu, e do Gepatria (Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa), Renato de Lima Castro. A imprensa não pôde acompanhar e ficou do lado de fora. 

Imagem ilustrativa da imagem Prefeitura diz que não pode multar Sanepar pelo atual contrato Imagem ilustrativa da imagem Prefeitura diz que não pode multar Sanepar pelo atual contrato
|  Foto: Rafael Machado - Grupo Folha
  

"A Secretaria de Obras tem notificado a Sanepar, que comunica a empresa contratada, mas o serviço não é bem feito na maioria das vezes. Essa cobrança só resulta em notificações. Foram mais de 80 desde dezembro do ano passado. A gente tem motivo de sobra pra multar, mas o atual contrato impede", afirmou Belinati na saída da reunião. 

LEIA MAIS

Com acúmulo de buracos, prefeitura não descarta romper contrato com Sanepar

De acordo com o prefeito, a Agepar (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná) é o órgão que deveria fiscalizar a execução. "Queremos a solução. Não podemos ficar vivendo de burocracia. As pessoas querem saber se o buraco será tapado. Temos que chegar a um acordo pra resolver esse problema", comentou. 

Sem definir datas, Belinati disse que vai se reunir com a gerência da Sanepar para "acertar essas mudanças".

SANEPAR

A empresa não permitiu entrevistas de representantes que participaram da reunião e se posicionou por meio de nota: "Sanepar e Prefeitura tratarão do assunto em reuniões técnicas na próxima semana, visando a melhoria do processo. Isto ficou definido após reunião no Ministério Público que tratou dos serviços de manutenção de redes de água e esgoto".

ALTERNATIVA

O secretário de Obras, João Verçosa, apresentou ao Ministério Público uma lista com as notificações emitidas desde o final de 2021. Como a Sanepar não pode ser diretamente multada pela prefeitura segundo o atual contrato, a administração municipal já traçou um plano secundário. 

LEIA MAIS

'Não pensamos em rompimento', diz gerente da Sanepar sobre contrato com prefeitura

"Vamos multar a empreiteira. Se ela não corrigir o erro mesmo depois de notificada, será punida. Temos base jurídica para tomar essa medida, e assim faremos", explicou. Após a autuação, a terceirizada tem três dias para tapar o buraco. 

ACOMPANHAMENTO

Em entrevista coletiva, o promotor Renato de Lima Castro defendeu que as eventuais mudanças no contrato também sejam formalizadas em um termo entre todos os envolvidos. Apesar de alegar dificuldade na fiscalização, a Secretaria de Obras admitiu que não comunicou a Agepar sobre as irregularidades. 

"Fiz esse questionamento ao secretário e ele confessou que não oficiou o órgão que, pelo contrato, é quem tem o poder de multa. Quando isso acontece, fica mais fácil pro Ministério Público cobrar", explicou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link