|
  • Bitcoin 147.000
  • Dólar 4,9690
  • Euro 5,2028
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 19/04/2022, 17:33

Com acúmulo de buracos, prefeitura não descarta romper contrato com Sanepar

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 19 de abril de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Irritados com a demora do serviço de tapa-buracos da Esac, empresa terceirizada da Sanepar, secretários municipais se reuniram com diretores da companhia de saneamento e cobraram agilidade para resolver o problema. 

O encontro realizado na última segunda-feira (18) aconteceu depois da denúncia de empreiteiros contratados de forma "quarteirizada" pela Esac. O grupo estacionou empilhadeiras na frente da sede da instituição, na marginal da PR-445, para protestar pelo atraso dos pagamentos. 

Sem equipes suficientes nas ruas, o Município passou a receber com mais frequência reclamações dos buracos que não são tapados com a mesma rapidez que são abertos. 

Segundo o secretário municipal de Planejamento, Marcelo Canhada, foram mais de 50 notificações enviadas à Sanepar desde novembro de 2021. A falta de respostas está levando a prefeitura a considerar um possível rompimento do contrato. 

"No nosso entendimento, esse contrato é lesivo porque não dá condições de o Município fiscalizar a estatal. É claro que romper seria um caso extremo, mas temos obrigação de exigir um bom serviço", afirmou. 

O acordo vigente foi renovado por mais 30 anos em maio de 2016, último ano da gestão do ex-prefeito Alexandre Kireeff, hoje sem partido. Entre as exigências, figuram o investimento de R$ 1,6 bilhão em infraestrutura e o repasse de R$ 228 milhões ao Fundo Municipal de Saneamento Básico. 

PACIÊNCIA ESGOTADA

Na reunião de segunda, Canhada explicou que "todos os prazos já foram dados". Enquanto a possibilidade de rompimento é analisada, o secretário disse que a Sanepar pode começar a ser multada. "Vamos apertar ainda mais", garantiu. 

Segundo o contrato, a Sanepar tem até três dias úteis para recapear ruas e calçadas danificadas pela instalação e ampliação do sistema de esgoto. Nas obras de maior porte, a pavimentação de asfalto deverá ser feita em até 10 dias. 

Em nota, a estatal informou que "tem prestado contas para a Prefeitura de Londrina sobre os serviços de manutenções de redes. Em relação aos serviços pendentes, estão sendo tomadas as medidas necessárias para agilizar e resolver".

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.