|
  • Bitcoin 102.068
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 16/05/2022, 14:18

Após vistoria, Vigilância Sanitária dá dois meses para melhorias em base da GM

Fiscais inspecionaram a sede operacional do órgão depois de cobrança do Ministério Público

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 16 de maio de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A Vigilância Sanitária foi até a base operacional da Guarda Municipal de Londrina, na rua São Jerônimo, centro de Londrina, e identificou as mesmas condições precárias relatadas em relatório da Gerência de Segurança do Trabalho da Secretaria Municipal de Recursos Humanos: pouca ventilação e muita insalubridade. 

Os fiscais vistoriaram a sede no final de abril a pedido do Ministério Público, que abriu um procedimento administrativo sobre o caso. Segundo o documento obtido pela FOLHA e enviado à promotora de Saúde, Susana de Lacerda, foi dado o prazo de dois meses, ou seja, até o final de junho, para que as adequações sejam feitas. 

LEIA MAIS

GMs de Londrina trabalham em prédio insalubre e com pouca ventilação

No ofício, a Vigilância Sanitária diz que a inspeção foi acompanhada de três guardas municipais. O órgão constatou que o prédio "é antigo e apresenta sinais de desgaste em paredes, pisos, teto e instalações em geral". 

A partir do momento que o ambiente insalubre e inadequado para o trabalho dos GMs foi denunciado pela imprensa, a sede passou por algumas manutenções, como "reforma em calhas para conter a infiltração de água, pintura, organização do estoque de almoxarifado e melhorias nos banheiros". 

Imagem ilustrativa da imagem Após vistoria, Vigilância Sanitária dá dois meses para melhorias em base da GM Imagem ilustrativa da imagem Após vistoria, Vigilância Sanitária dá dois meses para melhorias em base da GM
|  Foto: Arquivo FOLHA
 

Por mês, o Município desembolsa cerca de R$ 8,4 mil com o aluguel do espaço, onde antigamente funcionava uma empresa de transporte de valores. 

EM BUSCA DO SONHO

Tanto o prefeito Marcelo Belinati (PP) quanto o secretário de Defesa Social, Pedro Ramos, admitem que o problema de precariedade só deve acabar com a construção de um local próprio para a Guarda Municipal. 

LEIA MAIS

Guarda Municipal 'deflagra' busca por nova sede em Londrina

A Secretaria de Defesa Social tentou uma permuta e solicitou a avaliação de imóveis particulares nas ruas Jaguaribe e Itajaí, na Vila Nova, área central, mas as negociações não evoluíram. 

PODE SUBIR

Enquanto isso, o valor do aluguel do imóvel que abriga as atividades operacionais da corporação pode subir de valor. O prazo de execução do contrato entre a Prefeitura de Londrina e o proprietário terminou no dia 3 de março deste ano, mas a vigência vai até o início de junho. 

Um laudo da Comissão Permanente de Avaliação de Imóveis e de Preços Públicos da prefeitura avaliou em R$ 7,2 mil o aluguel, abaixo do que é pago atualmente. 

Em e-mail enviado no dia 21 de fevereiro, os donos ficaram indignados com a análise e pediram a aplicação do reajuste para R$ 9,4 mil. O pedido ainda está sendo verificado internamente pela Defesa Social. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1