|
  • Bitcoin 142.003
  • Dólar 4,7700
  • Euro 5,1201
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 14/04/2022, 14:42

Coisinhas e coisonas a serem consertadas no Brasil e nos brasileiros

Sumiço de palavras é daquelas coisinhas que irritam, como quando você aperta o botão e o elevador abre lotado

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 15 de abril de 2022

Domingos Pellegrini
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

         Na última crônica, por engano ficaram faltando dois parágrafos finais:

         “Com os filhos, ganhamos uma coleção de surpresas no tempo, descobrindo como será cada um como ser único, com sua cesta de defeitos e virtudes, gostos e manias, seu jeito de ser. Suas vocações, suas transformações, sua vida no mundo enfim, são filmes ao vivo. Mas só quem tem filhos pode saber disso, ou melhor, pode sabê-lo.

         O próprio Vinicius, aliás, termina o poema renegando a amargura inicial: “Chupam gilete / bebem xampu / ateiam fogo / no quarteirão / porém que coisa / que coisa louca / que coisa linda / que os filhos são!”

...

         Sumiço de palavras é daquelas coisinhas que irritam, deixando a gente a se perguntar porque comigo. Como quando você aperta o botão e o elevador abre lotado.

         Ou você vai cortar aquele biquinho plástico do frasco de mel, corta demais e depois a tampa não mais fecha direito.

         Ou, em café da manhã de hotel, você quer mel mas só tem naquela embalagenzinha que o dono da indústria devia ser filmado tentando abrir, ô coisinha!

         E os caixas eletrônicos continuam a pedir “solicite senha” em vez de “digite senha”. Faz décadas que erros grosseiros de linguagem grassam nas telas, num descarado desprezo pela nossa língua, decerto porque ninguém reclama disso...

. .
. |  Foto: Dalva Vidotte/ Divulgação
 

         Por falar em telas, outra coisinha irritante é o desfile de logomarcas antes dos filmes. Dá saudade do tempo de uma logomarca só, Columbia, Metro, Condor com seu passarão que a gente enxotava gritando xô, xô, e ele voava pro fundo da tela. Bom hoje é que essa exibição multinacional de marcas mostra que o cinema globalizou, mas algumas são tão super produzidas que a gente pensa que o filme já começou, ô coisa!

         E a tecnologia, com os bancos digitais, se não acabou está acabando com outras coisinhas degradantes, as taxas bancárias. E pensar que, antes, sempre pagamos aos bancões para lidarmos com nosso dinheiro com que eles lucram emprestando a outros...

         É coisa a lembrar que, durante décadas, pagamos nas contas telefônicas uma “sobretarifa” de 10% para um tal Fundo Nacional de Telecomunicações, para melhorar nossa telefonia, que só melhorou com o fim do monopólio  estatal e suas taxas sem contrapartida e nem prestação de contas.

         Mas aí já são coisinhas que, somando milhões de otários e bilhões de tostões, viraram coisas que atrasam o Brasil. Como as tantas e altas taxas para comércio e indústria, exportações e importações, esteios da economia sugados pelo Estado, ou as taxas cartorárias, como o reconhecimento de firma dispensado pelo Código Civil mas exigido pela burocracia oficial.  

         Outra coisinha infame é aquela placa nas repartições, avisando que destratar funcionário público é crime. Falta outra ao lado avisando que negligência no serviço público também é crime.

Talvez tudo melhore quando, nas propagandas políticas, tiver de aparecer legenda assim nas gravações em estúdio: “O candidato está falando texto escrito no teleprompter”.   

E que coisa, hem, começamos falando de coisinhas e chegamos a essa coisona com tanta coiseira por consertar, o Brasil, ou seja, os brasileiros.   

...

A opinião do colunista não reflete, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina.

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo  link

...