|
  • Bitcoin 103.220
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

VISÃO DE JOGO

m de leitura Atualizado em 23/05/2022, 00:11

A crise no Flamengo

O time, para não estar no alvo de ataques constantes, precisa continuar somando títulos sem cessar

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 23 de maio de 2022

Julio Oliveira
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O Flamengo, ao lado do Palmeiras, são os maiores vencedores do futebol brasileiro nos últimos anos. O período de pandemia foi generoso com estes dois times, que tiveram a companhia do Atlético-MG no ano passado. Ao contrário dos outros dois, o Flamengo vive uma turbulência interna que parece não ter fim. O fato de conquistar títulos não é o que acalma torcida e oposição. O time, para não estar no alvo de ataques constantes, precisa continuar somando títulos sem cessar. E continuar apresentando o melhor nível técnico do país. 

Imagem ilustrativa da imagem A crise no Flamengo Imagem ilustrativa da imagem A crise no Flamengo
|  Foto: Daniel Castelo Branco/DiaEsportivo/Folhapress
 

O ano de 2019, que era pra ser histórico, virou maldição. Campeão Carioca, Brasileiro e da Libertadores, marcava uma arrancada e solidificação de uma hegemonia com um comando técnico inovador: Jorge Jesus. O português, que chegava para trabalhar no país, criou uma relação que fez o torcedor se apaixonar sem saber que depois de se tornaria refém.  

LEIA TAMBÉM:

Os meninos do Tite
Sinal amarelo

Em 2020 foram mais quatro títulos. O time do momento no país era o alvo a ser batido. Palmeiras e Atlético-MG cresceram e diminuíram esta distância. Com mais dois troféus em 2021 se tornou o maior vencedor neste século no país com 21 títulos. E está em crise. Está em crise porque este ano não ganhou o Carioca. Está em crise porque não está na liderança do Brasileiro. Está em crise porque não tem o mesmo nível técnico de 2019 e 2020. Está em crise porque a torcida acredita mais na oposição do que no trabalho que está sendo construído. 

Mas o que acontece com o Flamengo? O ex-técnico Jorge Jesus passou pelo Rio de Janeiro no início do mês. JJ se colocou à disposição para voltar e aumentou o grau de insatisfação com o momento do time. Ele não foi antiético no comentário numa mesa de jantar, foi oportunista quem se beneficiou da declaração sabendo o que iria acontecer com aquela divulgação. Há uma grande parcela, que inclui imprensa e torcedores, que acredita que sua volta traria também performance e resultados antigos. Que ilusão. Não há garantia. Talvez o maior erro da diretoria tenha sido não renovar o elenco. O time ficou velho, cansado, estilo conhecido e jogadores, que venceram tudo, sem estímulo. E como tinha muito dinheiro contratou errado, como David Luís, por exemplo.  

O Flamengo conseguiu na última década se reorganizar, crescer, vencer e se tornar forte em todas as áreas sem ter se transformado em S.A., usando apenas uma boa administração e seu principal ativo: o torcedor. Aumentou o número de sócios, melhorou receita, encheu estádios e vendeu bem as últimas revelações, fechando a combinação perfeita de um clube inteligente. Mas não evoluiu na política interna. O sistema continua o mesmo: a oposição sempre tumultuando para criar uma atmosfera negativa e vencer a próxima eleição. A passagem e as declarações de Jorge Jesus foram um capítulo de campanha eleitoral.  

A crise do Flamengo tem uma velha fórmula: desestabilizar e desorganizar para quando “eu” entrar arrumar tudo novamente. E, assim, o futebol brasileiro vai mantendo suas raízes.    

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.