Entidades de Londrina propõem retomada das atividades


Viviani Costa - Grupo Folha
Viviani Costa - Grupo Folha

Nove entidades de Londrina formalizaram um documento com sugestões a serem adotadas em uma possível retomada gradual das atividades a partir da próxima segunda-feira, 13 de abril. Comerciantes e empresários da indústria, construção civil, tecnologia da informação e outros setores temem prejuízos ainda maiores com a continuidade das restrições adotadas para evitar o aumento no número de casos do novo coronavírus.


Entidades de Londrina propõem retomada das atividades
Isaac Fontana/FramePhoto/Folhapress
 


As medidas sugeridas incluem horário reduzido no comércio de rua e controle de acesso de clientes para evitar a aglomeração interna nas lojas. O comércio funcionaria das 10h às 16h, de segunda a sexta-feira, e das 9h às 13h, aos sábados. Shoppings, escolas e academias permaneceriam fechados, conforme o decreto estadual.




LEIA TAMBÉM:


Com pães e laticínios, loja consegue liminar para reabrir em Londrina


Guarda Municipal encontra aglomerações em locais abertos durante pandemia


"Os horários alternativos foram pensados, principalmente, por causa dos ônibus. A gente não quer muito fluxo dentro dos ônibus. É um lugar fechado de muito contágio. Então estamos evitando isso. Uma exigência muito grande foi o uso de máscara, essa máscara caseira de tecido duplo. Todos os colaboradores devem usar. A gente pede também que o próprio consumidor utilize essa máscara. O que nós queremos é voltar aos trabalhos com extrema cautela", explicou o presidente da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina), Fernando Moraes.


Escritórios de prestação de serviços priorizariam o trabalho remoto (em home office), afastariam colaboradores da zona de risco e diminuiriam a quantidade de funcionários no mesmo espaço físico. Para autônomos e profissionais liberais, a sugestão é apenas observar as normas de saúde pública e higienização.


Restaurantes, bares e lanchonetes poderiam servir porções individuais dentro dos estabelecimentos com distanciamento seguro entre as mesas e revezamento da jornada de trabalho entre os funcionários. Conforme o documento, esses locais trabalhariam com 50% da capacidade para evitar aglomeração. Playground e espaços kids permaneceriam fechados.


Nas indústrias em geral, o retorno dos funcionários seria gradativo dependendo da função exercida na empresa. Na construção civil seriam utilizados termômetros para impedir a entrada de funcionários com febre aos locais de trabalho, além do reforço nas medidas de higiene e limpeza.


O documento foi apresentado ao município na semana passada numa tentativa de viabilizar a retomada das atividades a partir da última segunda-feira (6). As sugestões foram repassadas ao comitê de enfrentamento ao covid-19 formado por representantes da saúde. Os integrantes do comitê se reunirão novamente nesta quinta-feira (9).


"A gente sabe que essa pandemia deve se estender até o inverno e, com isso, a gente tem a noção que há a possibilidade de um novo fechamento. Quem vai conduzir isso são os profissionais da saúde que estão nessa frente de análise da contaminação",  admitiu Moraes.




Segundo ele, a situação entre os empresários é preocupante, já que há demora na concessão de linhas de crédito. "Está bem difícil, bem complicado. Muitos não conseguiram honrar a folha de pagamento nessa semana. Estão aparecendo várias linhas de crédito que os nossos governantes falam, mas, infelizmente, elas não chegaram ainda na mão desse empresário. Ele precisa ter acesso a isso o mais rápido possível para conseguir ficar em pé até o final da crise. Hoje, o empresário está agonizando sem dinheiro e sem acesso aos recursos", completou. O comércio está fechado desde o dia 23 de março. A restrição, pelo menos por enquanto, segue até o dia 12 de abril.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias