|
  • Bitcoin 118.060
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3411
Londrina

A CIDADE FUTURA

m de leitura Atualizado em 27/07/2022, 00:47

Sobre eleições, votos e espíritos democráticos

Dia desses me perguntaram por que as pessoas decidem votar no candidato A ou no B. A questão é boa, mas não se dá a grandes facilidades

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 27 de julho de 2022

Marco A. Rossi
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Visões de mundo são elaboradas ao longo de muito tempo. Na prática, sofrem alterações e acréscimos a todo instante, no embate que travam com a vida em sociedade. As escolhas que fazemos dependem, portanto, das nossas trajetórias, dos caminhos percorridos da infância à maturidade. Fora disso, tudo é sempre bem mais complicado de entender e explicar.

LEIA MAIS

Mais bibliotecas, menos armas, por favor

A casa de Leonardo Prota e o terreno vazio

Dia desses me perguntaram por que as pessoas decidem votar no candidato A ou no B. A questão é boa, mas não se dá a grandes facilidades. Respondi que depende dos itinerários de vida de cada um, das convicções que aos poucos vão se constituindo, É praticamente inútil discursar em favor desta ou daquela ideia: as escolhas são previamente cotejadas, portanto, no decurso da existência; não surgem do nada, nem se modificam mediante palavras ou insistências alheias. O voto, em suma, é um estar-no-mundo.

É por isso que se leva tanto tempo para construir uma democracia. Como ideia que se realiza na prática, ela – a democracia – requer mentalidades que a defendam e a cultivem. Não será o discurso nem o voto num determinado momento que irá trazer à luz a vida democrática. Para todos os efeitos, ela depende da irradiação de visões de mundo efetivamente abertas e corajosas. Depende, por isso, da inevitável e lenta passagem dos anos, das décadas.

Nesse sentido, uma sociedade democrática é exigente; requer que alguns critérios sejam observados por seus cidadãos. Em primeiro lugar, é indispensável que se admita a existência de desigualdades entre os indivíduos e grupos – só assim fenômenos como a fome serão compreendidos e combatidos. Não há democracia onde coexistem fartura e miséria.

É preciso também, em segundo lugar e assim por diante, que políticas públicas sejam promovidas em prol de uma mais equitativa distribuição da riqueza coletiva. Ao mesmo tempo, a saúde e a ciência devem ter lugar de destaque nas preocupações gerais, sejam de governados, sejam de governantes. A violência e o ódio devem ser enfrentados com sentimento de fraternidade e justiça: não cabem na democracia a intolerância e o receio contra a diversidade. A excelência é a pluralidade.

Valorizar a cultura e a educação, tratando-as como eixos civilizatórios, é uma forma de conter a mentira na política, esse mal que a tudo ataca. Onde prevalecem os valores da sensibilidade e da criação, fenecem os ardis da intriga e da falsidade.

A cereja do bolo democrático é o enfrentamento de toda forma de autoritarismo, desde os que se praticam no cotidiano até aqueles que eventualmente seduzam as maiores autoridades. Só há visões de mundo plurais e convergentes em espaços públicos de partilha e responsabilidades comuns. No atual mundo das “bolhas”, a democracia é apenas uma miragem.

Para evitar catástrofes iliberais e antidemocráticas (Brasil hoje?), é preciso alimentar a democracia desde o berço, a partir de uma formação humanista para todos os espíritos individuais. Outras saídas não passam de meras promessas eleitoreiras.

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link