|
  • Bitcoin 121.481
  • Dólar 5,0538
  • Euro 5,2302
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 22/07/2022, 02:00

Vira-lata é adotado por socorristas em Londrina e vira mascote do Samu

Desde 2011 Samuzinho é tido como um companheiro e distração para a dura rotina das equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 22 de julho de 2022

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Micaela Orikasa - Grupo Folha
menu flutuante

Das histórias que os socorristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de Londrina têm para contar diariamente, uma delas "foge" da prática de atendimento a vítimas de acidentes, traumas e outras situações que envolvem cuidados em saúde.  

A equipe do turno da manhã recebeu a reportagem com bastante entusiasmo e carinho para contar a história de “Samuzinho”, um vira-lata adotado pela corporação em 2011. A participação do animal de estimação não se restringe à guarda da base do Samu, na zona leste da cidade.  

Ele percorre a região com uma popularidade para poucos. No passeio matinal, recebe os "cumprimentos" e afagos dos frentistas do posto, dos servidores e frequentadores do Centro POP (Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua) e até do pet shop do bairro, onde garante alguns petiscos diários das melhores marcas de ração. “Ele é enjoado. Não come qualquer coisa não”, diz, aos risos, a auxiliar de serviços gerais do Samu, Ercília Dolores Teixeira. 

O comentário é típico de quem convive com o animal há anos e não esconde o carinho. “Ele também nos acompanha até o ponto de ônibus. Já passaram outros cachorros por aqui, mas só ele que ficou. Ele apareceu filhote quando a base era na rua Maranhão. Nos mudamos para este endereço e ele veio junto. Todo mundo tem um cuidado especial com ele”, conta. 

Samuzinho não fica somente na base do Samu: percorre a zona leste e ganha afagos e petiscos Samuzinho não fica somente na base do Samu: percorre a zona leste e ganha afagos e petiscos
Samuzinho não fica somente na base do Samu: percorre a zona leste e ganha afagos e petiscos |  Foto: Pedro Marconi/Grupo Folha
 

NO DESFILE

Tantos anos de convivência com a equipe, formada por 120 servidores, até garantiu uma participação do Samuzinho no desfile de 7 de setembro, ao lado dos socorristas. “Temos ele como nosso mascote então, não pensamos duas vezes em levá-lo conosco, até como uma forma de as pessoas o conhecerem”, comenta a coordenadora de enfermagem do Samu, Izilda Frois. 

Antes de ganhar uma cama pet, Samuzinho escolhia dormir embaixo das ambulâncias. Fato que já lhe trouxe alguns problemas, como atropelamento. Mas o pequeno cão, de pelos curtos e focinho branco, já passou por outros episódios difíceis também como cirurgia e transfusão de sangue. Recentemente, foi atropelado, mas está bem após consulta com veterinário. 

LEIA TAMBÉM:

+ Thor, o mascote ‘guardião’ do Mercadão em Londrina

+ Unila avalia efeito do extrato de cannabis em cães com osteoartrite

Apesar da idade avançada, a equipe garante que ele segue como guardião do espaço. “Ele sabe que quem está de macacão pode entrar na base, mas com estranhos ele late avisando o pessoal, principalmente de madrugada. Para ver o Samuzinho é só passar em frente da base porque ele sempre está deitado no portão, olhando a rua, o movimento”, conta a enfermeira Gisele Cristina César, uma das tutoras de Samuzinho. É ela quem assume a maior parte dos cuidados com veterinário.  

'NOSSO AMPARO'

“As pessoas me perguntam se adotamos ele e eu digo que não. Foi ele que nos adotou porque apareceu na base filhote e é livre, podendo ficar em qualquer lugar, mas ele quis ficar com a gente e está há 10 anos, alegrando o plantão. Às vezes, o dia está meio tenso e ele fica no pátio, brincando e dando atenção para todo mundo. Então, ele é a nossa diversão. Ele que é o nosso amparo aqui”, diz. 

Samuzinho com a enfermeira Luana Santos Samuzinho com a enfermeira Luana Santos
Samuzinho com a enfermeira Luana Santos |  Foto: Divulgação/Samu Londrina
 

Frois destaca que a base do serviço não atende pacientes e, portanto, não há impedimento nenhum para a presença do animal. “E ele não entra na cozinha, nos dormitórios e nem no escritório. Também tomamos todos os cuidados com castração, vacinação, vermífugo, o que for preciso. Nosso trabalho é tão difícil porque convivemos com o sofrimento, doenças e a gravidade dos casos, que o Samuzinho traz um momento de família, um alento. Os socorristas voltam dos atendimentos e ele já chega perto”, comenta.  

Imagem ilustrativa da imagem Vira-lata é adotado por socorristas em Londrina e vira mascote do Samu Imagem ilustrativa da imagem Vira-lata é adotado por socorristas em Londrina e vira mascote do Samu
|  Foto: Divulgação/Samu Londrina
 

Histórias como a do Samuzinho, de guarda compartilhada, são cada vez mais comuns. E só quem dá e recebe o carinho dos animais é que entende o quanto essa troca é sincera. Ainda mais quando o dia a dia daqueles que convivem com os bichos exige uma boa dose de saúde emocional. “O amor dos animais é verdadeiro e a presença do Samuzinho traz alegria, conforto e distração. Eu digo que ele é a nossa terapia entre um atendimento e outro”, relata a socorrista Litiely Altero Veloso. 

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1