TEMPO INDETERMINADO -

Vacinação com primeiras doses está suspensa em Londrina a partir de terça

Lote com vacinas da Coronavac que estava previsto para ser distribuído a cidade foi cancelado após determinação da Anvisa; Cambé e Rolândia também suspenderam a imunização

Pedro Marconi - Grupo Folha
Pedro Marconi - Grupo Folha

 

Aplicação de segundas doses segue normalmente
Aplicação de segundas doses segue normalmente | Vivian Honorato/N.com
 


A partir desta terça-feira (7), feriado da Independência, a vacinação com primeiras doses contra a Covid-19 em Londrina está paralisada por tempo indeterminado. A decisão da secretaria municipal de Saúde foi motivada pela falta de imunizantes. Na sexta-feira (3), a pasta havia aberto o agendamento para os jovens de 21 anos e para as pessoas de 22 e 59 anos que tiveram o cadastro validado após a vacinação da faixa etária se imunizarem nesta semana. 


No entanto, o município foi obrigado que voltar atrás, já que o lote de 12.400 doses de Coronavac, que tinha previsão de ser entregue até esta segunda (6), teve que voltar para o Ministério da Saúde por orientação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). No fim de semana, o órgão determinou a interdição cautelar de lotes da vacina, proibindo a distribuição e o uso dos lotes envasados em uma fábrica chinesa não aprovada na autorização de uso emergencial.  


Ao todo, a agência proibiu a utilização de cerca de 12 milhões doses, o que vem impactando a vacinação em todo o Brasil. No Paraná, a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) teve que devolver 338.200 doses


Segundo o secretário municipal de Saúde, 4.367 moradores chegaram a fazer o agendamento entre sexta-feira e domingo (5), no entanto, a marcação foi cancelada. Para os demais, a situação da inscrição no sistema também passou para cadastrado, sem possibilidade de marcar dia e horário. “Todos os pacientes (que agendaram) vão ser avisados por meio de mensagem de texto”, destacou Felippe Machado. 


MONITORAMENTO

Um lote de Coronavac que foi distribuído para a cidade em julho também teve fabricação em local não autorizado pela Anvisa, o que foi divulgado pelas autoridades apenas neste fim de semana. Neste caso, o imunizante foi aplicado em 53 londrinenses. A partir de agora, essas pessoas serão contatadas e acompanhados pelo município. "Não identificamos de lá para cá nenhuma reação adversa ou situação atípica. Entretanto, de posse desses nomes, vamos iniciar o monitoramento e contato telefônico”, explicou. 


SEGURA E EFICAZ

Em nota, a Anvisa frisou que as medidas cautelares “não são decisões condenatórias em caráter punitivo, mas sanitárias para evitar a exposição ao consumo e ao uso de produtos irregulares ou sob suspeita”. Felippe Machado afirmou que não há motivo para alarmismo que a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, é segura e produz anticorpos contra o novo coronavírus. 


“As demais pessoas que receberam a vacina da Coronavac não precisam se preocupar. A vacina é segura e eficaz. O próprio Instituto Butantan garantiu ao Ministério da Saúde a qualidade desses imunizantes vindos da Sinovac. Eles passaram pelo controle de qualidade do instituto, foram inspecionados. A Anvisa deve inspecionar as plantas onde foram produzidas e acreditamos que em um curto espaço de tempo essas vacinas deverão ser homologadas e aptas para utilização”, pontuou. 



LEIA TAMBÉM:

Quatro municípios da RML não registram óbitos por Covid desde junho

Saúde 'convoca' crianças até 11 anos com vacina contra meningite em atraso


A vacinação com segundas doses continua normalmente nos seis postos em Londrina, inclusive, neste feriado. Existe a sinalização da Sesa para chegada de uma remessa de vacinas da Pfizer ainda esta semana, entretanto, não foram informados o dia exato e nem a quantidade. É a primeira vez desde o início da campanha de vacinação contra a Covid que a cidade precisa interromper a aplicação de doses. Londrina já vacinou com uma dose ou dose única 87% da população adulta.


 

Vacinação com primeiras doses está suspensa em Londrina a partir de terça
Gustavo Carneiro - Grupo Folha
 


REGIÃO 

Na Região Metropolitana de Londrina, Cambé e Rolândia também suspenderam a aplicação de primeiras doses por falta de vacinas. Cambé está vacinando, nesta segunda-feira, as pessoas com 20 anos, porém, terá que paralisar a partir de quarta-feira (9), quando seriam imunizados os jovens de 19 anos. A previsão é de que chegariam 2.500 doses de Coronavac. No município, 92,6% da população adulta já recebeu ao menos uma dose. 


Rolândia cessou a vacinação com primeira dose na semana passada, com expectativa de retomada nesta quarta-feira, o que não vai mais acontecer. A cidade parou nos 20 anos. Em ambas as localidades a campanha com segunda dose segue sem intercorrências.


Ibiporã está imunizando com segunda dose nesta segunda-feira, na terça o ponto de vacinação estará fechado devido ao feriado e na quarta a aplicação de primeira dose ocorrerá regularmente, para a população de 18 anos ou mais que havia agendado. 


Apesar de Ibiporã não precisar suspender neste momento, o Núcleo de Comunicação da prefeitura alertou que “assim como os demais municípios, está no aguardo para o recebimento de mais doses para dar continuidade no agendamento de novos ibiporãenses para primeira dose.” 


Atualizada às 12h26


Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo