|
  • Bitcoin 144.098
  • Dólar 4,8243
  • Euro 5,1498
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 25/04/2022, 16:45

Usina de Londrina produz 20 t de massa asfáltica por dia para tapa-buraco

Estrutura da prefeitura retomou produção depois de quase um mês de paralisação por conta de um transformador danificado

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 25 de abril de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
menu flutuante

Depois de quase um mês, os caminhões voltaram a sair da usina de asfalto da Prefeitura de Londrina carregados de massa asfáltica em direção aos bairros, na manhã desta segunda-feira (25). A produção estava parada desde o final de março por conta de um problema no transformador de energia, como mostrou a FOLHA com exclusividade. A troca do equipamento aconteceu na semana passada, durante o feriado de Tiradentes.  

De acordo com a secretaria municipal de Obras e Pavimentação, cerca de 20 toneladas de massa asfáltica são fabricadas por dia na usina apenas para o serviço de tapa-buracos. “Temos uma lista de demanda que cresce dia a dia. O tapa-buraco é um serviço que tem que ser feito o ano inteiro, porque se pega um período de chuva mais longo, a malha asfáltica acaba sendo prejudicada. Temos uma demanda represada. Vamos recuperar o período e depois voltar no ritmo normal”, explicou João Verçosa, responsável pela pasta. 

Nesta segunda-feira, no período matutino, as três equipes de servidores fizeram o tapa-buraco na rua Nelson Brunelli, no conjunto Alexandre Urbanas, zona leste; na rua José Roberto Buck, no União da Vitória; avenida Europa e rua Nápoles, no Piza, ambos na região sul. “A estratégia é pegar locais em situação pior e a partir daí resolvendo. Não temos muita condição de colocar mais equipes porque teria que ter equipamento e só tenho três. Poderemos trabalhar outros turnos e fins de semana, se for o caso”, justificou. 

LEIA TAMBÉM: Empresa pede suspensão do contrato da obra do Samu em Londrina

A usina de asfalto fica na pedreira desativada do DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná), próximo ao conjunto Jamile Dequech, na zona sul, desde 2010. Antes, o asfalto era produzido na antiga Pavilon, na avenida Guilherme de Almeida. A mudança ocorreu depois de um pedido do MP-PR (Ministério Público do Paraná). 

RECAPE 

A capacidade da usina é de produzir até 300 toneladas de massa asfáltica por dia. “Estamos produzindo menos neste momento porque não temos uma empresa terceirizada para fazer o serviço de recape usando a nossa massa. O serviço de recape que temos na cidade é com fornecimento da própria empresa”, explicou. Verçosa também afirmou que o município deverá lançar uma licitação para aquisição de massa asfáltica em sacada para tampar os pequenos buracos, o que demandaria uma equipe menor. “O tapa-buraco é paliativo. Nosso foco é fazer recape”, acrescentou. 

RECLAMAÇÃO 

No jardim Sabará, zona oeste, os moradores cobram justamente o recape. Entre as ruas mais problemáticas, segundo motoristas, estão a Antônio Salema, Estácio de Sá e Cristóvão Cardoso de Barros. “Aqui o tapa-buraco não adianta nada. As ruas estão bem danificadas, principalmente aquelas que do transporte coletivo”, reclamou o segurança Gilberto Elias. 

FINANCIAMENTO 

O secretário de Obras garantiu que a prefeitura está dando encaminhamento em projetos junto ao Paraná Cidades para conseguir financiamento para recape de diversas vias, entre elas a avenida Dez de Dezembro. “Têm algumas ruas em que o ideal seria fazer o recape, mas não temos condição e pegamos trechos da rua para fazer um recape mais curto, que é a mesma equipe do tapa-buraco.” 

Recentemente foi dada ordem de serviço para uma empresa terceirizada fazer sete quilômetros de recape na avenida Luigi Amorese e nas ruas Brasil, Tremembés e Uruguai.  

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.