|
  • Bitcoin 121.612
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3296
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 05/08/2022, 03:55

Um refúgio em Cambé para crescer com dignidade

Associação no jardim Ana Rosa oferece atividades gratuitas de esporte, cultura e lazer para 250 crianças e adolescentes

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 05 de agosto de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Aron Mello/Refúgio
menu flutuante

Cambé - O símbolo traduz a função da entidade. O coração que representa a Associação Refúgio mostra que ela pulsa o bem, que retorna em forma de sorrisos e perspectiva de vida. A organização filantrópica, com sede no jardim Ana Rosa, em Cambé (Região Metropolitana de Londrina), atende cerca de 250 crianças e adolescentes de seis a 15 anos com atividades esportivas, culturais e de lazer. 

A instituição nasceu no ano 2000, mas com outra finalidade. Na época, o idealizador, Marcio Carvalho, evangelizava junto com um grupo de amigos os moradores em situação de rua do bairro. “As pessoas nos questionavam para onde iriam para mudar de vida”, lembrou.

Foi então que resolveu alugar uma casa e levar as pessoas para morarem neste espaço. Eram transexuais, drogaditos e alcoólatras. “Nunca impulsemos nada da nossa religião. Nessa casa as pessoas foram amadas e cuidadas em um ambiente de solidariedade e sem preconceito.” 

Conforme os moradores conseguiam mudar de vida e construir novas histórias, Marcio refletiu sobre a necessidade de tentar interromper na infância o processo que levava as pessoas para vício. “Senti que deveria promover um trabalho com as crianças. A casa que acolhia as pessoas em situação de rua virou uma casa de apoio às crianças e adolescentes”, contou. 

ESPAÇO FICOU PEQUENO

Foi em 2005 que a Refúgio se tornou oficialmente uma organização. “As crianças assistiam filme, comiam pipoca e depois conversávamos. Mas foi aumentando a cada dia o número de crianças e o espaço ficou pequeno”, disse. No ano seguinte foi alugado um prédio onde funcionava um mercado, na rua Antônio Raminelli, local que a entidade está hoje. 

Organização filantrópica oferece aulas de capoeira, música, taekwondo, circo, streeat dance, balé, natação e esportes em geral Organização filantrópica oferece aulas de capoeira, música, taekwondo, circo, streeat dance, balé, natação e esportes em geral
Organização filantrópica oferece aulas de capoeira, música, taekwondo, circo, streeat dance, balé, natação e esportes em geral |  Foto: Aron Mello/Refúgio
 

Atualmente, a instituição oferece aulas de capoeira, música, taekwondo, circo, streeat dance, balé, natação e esportes em geral. Além disso, os meninos e meninas participam de grupos socioeducativos, em que discutem temas como bullyng, cidadania, preconceito, desigualdade social, superação e direitos. As crianças e adolescentes frequentam a associação no contraturno escolar duas vezes por semana. 

LEIA TAMBÉM:

+ Desnutrição atinge mais de 700 mil crianças com menos de 5 anos no Brasil

+ Cambé vai lançar licitação em até dez dias para luminárias de LED

+ UEL quer identificar hábitos de crianças no consumo de medicamentos

MELHORIAS 

Nos últimos anos a estrutura física mais que dobrou de tamanho, chegando a cerca de mil metros quadrados. A ampliação aconteceu após a instituição ser contemplada com recursos da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), por meio da iniciativa de uma emissora de TV brasileira, e com o prêmio de um banco em parceria com a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).  

"Queremos ver a mudança na vida das crianças para que cresçam com dignidade e possamos transformar a sociedade", afirma Marcio Carvalho "Queremos ver a mudança na vida das crianças para que cresçam com dignidade e possamos transformar a sociedade", afirma Marcio Carvalho
"Queremos ver a mudança na vida das crianças para que cresçam com dignidade e possamos transformar a sociedade", afirma Marcio Carvalho |  Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
 

A Refúgio contou com repasses do programa Nota Paraná, dinheiro que também é usado para manutenção do lugar. Soma-se para dar continuidade ao projeto valores provenientes de doação e de subvenção da prefeitura. Em breve será lançada uma campanha para empresas ajudarem com doações e terem sua marca estampada em um mural, recebendo o selo de “amiga da associação”.  

“Temos uma fila de espera maior que a quantidade de crianças que atendemos. Levamos em conta a renda e a demanda espontânea. O que oferecemos aqui é como se fosse para nossos filhos”, destacou o fundador, que conta com o apoio da esposa, Michelle Carvalho, que cuida da parte pedagógica. 

Satisfação 

A organização tem 18 profissionais entre psicólogas, assistentes sociais, educadores físicos, advogado e educador social. Para Marcio Carvalho, o cuidado e o respeito que as crianças demonstram pela associação revela a importância que as atividades têm para elas. “É uma satisfação imensa. Desejamos o melhor para elas, não porque somos bons, mas porque Deus é bom e as pessoas são boas. Queremos ver a mudança na vida das crianças para que cresçam com dignidade e possamos transformar a sociedade.”  

SERVIÇO - Quem quiser ajudar a Associação Refúgio pode entrar em contato pelo número (43) 99117-5744 (WhatsApp) ou ter mais informações pelo site refugio.org.br/ e pelo Instagram osc_refúgio.

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.