|
  • Bitcoin 118.704
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3383
Londrina

Saúde

m de leitura Atualizado em 25/07/2022, 15:40

UEL quer identificar hábitos de crianças no consumo de medicamentos

Pesquisadores procuram pais ou responsáveis por crianças de zero a 11 anos para participar da pesquisa e alertam para o uso indiscriminado

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 25 de julho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

Foto: Divulgação/Pixabay
menu flutuante

Pesquisadores do Departamento de Ciências Farmacêuticas da UEL (Universidade Estadual de Londrina) estão procurando pais ou responsáveis por crianças entre zero e 11 anos para participar da pesquisa “Acesso e utilização de medicamentos em pediatria”, que tem o objetivo de identificar e analisar o uso e o acesso a remédios nesta população. Interessados podem responder um questionário eletrônico disponibilizado na plataforma Google docs.

Segundo o coordenador da pesquisa, professor Edmarlon Girotto, o grupo pretende aplicar mil questionários. O público-alvo são os responsáveis por crianças matriculadas nas escolas públicas do Ensino Básico (Infantil e Fundamental – séries iniciais) de Londrina e Cambé (Região Metropolitana de Londrina). Até agora foram respondidos 250 questionários. Os interessados não precisam se identificar. O preenchimento dos dados leva em torno de 15 minutos e todo o procedimento é realizado de forma virtual.

Os pesquisadores pretendem gerar dados para identificar os hábitos do público infantil no consumo de medicamentos: verificar quais fármacos são mais comuns, se há prescrição médica e a necessidade do tratamento. A partir deste levantamento concreto, será possível propor uma política pública para fortalecer a informação e implementar projetos de extensão para difundir o uso racional de medicamentos.

LEIA TAMBÉM:

+  ONG de Londrina oferece oficinas gratuitas para pessoas com Alzheimer

+ Crianças de 3 e 4 anos começam a ser vacinadas contra Covid em Londrina

USO INDISCRIMINADO

De acordo com Girotto, a prática clínica demonstra que cada vez mais crianças fazem uso de remédios como antibióticos e anti-inflamatórios, além de metilfenidato, vendido sob os nomes comerciais Ritalina, Concerta, entre outros. Trata-se de um fármaco estimulante leve do sistema nervoso indicado para crianças com hiperatividade.

Segundo o professor, os pesquisadores partem da hipótese de que em muitos casos está se confundindo o processo natural de desenvolvimento das crianças com os transtornos de hiperatividade. O levantamento pretende compreender se o uso destes medicamentos está relacionado à uma cultura de automedicação ou de generalização dos casos de hiperatividade.

O levantamento teve início em fevereiro deste ano. Estudantes dos cursos de Medicina e Farmácia da UEL e Unifil (Centro Universitário Filadélfia), que integram o projeto como colaboradores, fizeram uma divulgação junto a escolas municipais de Londrina e Cambé. O objetivo foi sensibilizar professores e coordenadores, na tentativa de chegar às famílias dos estudantes.

O professor reafirma que a proposta do trabalho é contribuir com a propagação de uma conduta médica que estimule a redução da prescrição de múltiplos fármacos quando possível, reduzindo as interações medicamentosas e suas reações adversas. Além de Girotto, integram o grupo de pesquisa os professores Camilo Guidoni, Daniela Alfieri e Joice Cruciol, todos do Departamento de Ciências Farmacêuticas. (Com informações da Agência UEL)

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1