|
  • Bitcoin 149.300
  • Dólar 4,9058
  • Euro 5,1831
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 10/05/2022, 15:26

Sanepar terá que refazer parte de obra de adutora na Ayrton Senna

Serviço entre a rua Ulrico Zuinglio e a avenida Madre Leônia deveria ter sido executado na calçada, mas foi realizado na rua

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 10 de maio de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
menu flutuante

Os motoristas e pedestres que passam pela avenida Ayrton Senna, na zona sul de Londrina, já perceberam que o trecho entre a rua Ulrico Zuinglio e a avenida Madre Leônia Milito está com parte do asfalto faltando, ou seja, apenas nas pedras. O corte do pavimento faz parte do serviço que a Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) está executando para troca da tubulação que leva água do Ribeirão Cafezal até a estação de tratamento da avenida Juscelino Kubitscheck. 

No entanto, faz alguns dias que operários não promovem nenhum trabalho no lugar. É que a prefeitura notificou a companhia para que interrompesse de forma imediata a substituição das adutoras neste quarteirão. Técnicos do município identificaram que o projeto estava sendo feito fora do que havia sido apresentado pela Sanepar e aprovado pelo poder público. 

O planejamento era de que a tubulação fosse instalada na calçada e não próximo ao meio-fio, na área de estacionamento, como foi feito. “Temos projeto de construir uma trincheira no cruzamento da avenida Ayrton Senna com a Madre Leônia e se a tubulação ficar no asfalto, naquele trecho, vai ficar encostada na ‘cortina’ da obra. Tivemos que notificar a Sanepar para que fizessem certo. Eles erraram”, constatou o secretário municipal de Obras e Pavimentação, João Verçosa. O documento foi enviado para a companhia há cerca de dez dias. 

LEIA TAMBÉM: Ciclovia na avenida Guilherme de Almeida terá 1,2 km de extensão

Enquanto o conserto não é feito, motoristas e comerciantes estão insatisfeitos com a situação do asfalto. As pedras saíram em alguns pontos e o buraco tem aumentado. “É um perigo alguém escorregar de moto aqui ou até mesmo ciclista cair. Tem muita pedra solta na pista”, afirmou o entregador Mauro José Dias. “Acaba com o pneu do carro passar por esse buraco. Se erraram, tem que arrumar logo, porque aqui é via de grande movimentação, está feio”, reclamou a desing de interiores Luciana Freitas. 

Pedras invadiram pista e motoristas reclamam do perigo Pedras invadiram pista e motoristas reclamam do perigo
Pedras invadiram pista e motoristas reclamam do perigo |  Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
 

COMPATIBILIZAÇÃO 

Por meio de nota, a Sanepar confirmou que houve a suspensão temporária e parcial da obra no trecho “para que seja feita a compatibilização do projeto da adutora com o projeto da trincheira da prefeitura”. De acordo com a companhia, “assim que isso for concluído, a obra será retomada”. No entanto, não foi informado o prazo para os reparos. A assessoria de comunicação destacou que no próximo domingo (15) haverá obra num outro trecho da avenida e com interdição do trânsito. Os detalhes serão divulgados nos próximos dias. 

João Verçosa garantiu que iria alertar a companhia sobre os problemas que estão sendo gerados diante da falta da recomposição asfáltica entre a Ulrico Zuinglio e a Madre Leônia. “Identificamos o erro logo que o serviço foi feito. Realizamos reunião na prefeitura e chegamos a um denominador comum. Já liberamos a continuidade da obra, desde que haja a correção. Terão que desmanchar e tampar certo (o asfalto)”, frisou. 

DÉCADA DE 1960 

O remanejamento das adutoras na região da Gleba Palhano teve início em fevereiro deste ano e foi dividida em três fases. A água do Ribeirão Cafezal equivale a cerca de 30% de todo o sistema de abastecimento de Londrina. A tubulação atual foi instalada na década de 1960. Para execução deste novo traçado serão investidos R$ 10,2 milhões pela Sanepar. A responsável, contratada pela companhia, é uma empreiteira de Astorga. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.