|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

EXPECTATIVA 5m de leitura Atualizado em 06/01/2022, 07:53

Prefeitura lança nova licitação para término da UBS da Vila Fraternidade

Construção do prédio do posto na zona leste de Londrina está parada há mais de um ano, desde que contrato anterior foi rompido pelo município

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 05 de janeiro de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A “novela” envolvendo a construção da UBS (Unidade Básica de Saúde) da Vila Fraternidade, na zona leste de Londrina, ganhou um novo capítulo. Se não ocorrer intercorrência, este deverá ser o que indica o final deste imbróglio que começou em 2013, quando a estrutura foi desativada e no ano seguinte demolida. A prefeitura publicou uma nova licitação para contratar uma empresa para terminar a obra, que está parada desde dezembro de 2020, quando o município rompeu o contrato com a construtora que até então estava responsável pelas intervenções. 

UBS da Vila Fraternidade: "novela" que se arrasta há anos
UBS da Vila Fraternidade: "novela" que se arrasta há anos |  Foto: Pedro Marconi - Grupo FOLHA
 

O edital, lançado no final da semana passada, tem preço máximo de R$ 1 milhão. Ainda falta cerca de 50% de execução para que o prédio finalmente seja finalizado e volte a atender os moradores do bairro. As propostas das construtoras interessadas serão abertas no dia 21 de janeiro, na sala de licitações da prefeitura. “Queremos começar o ano com o pé direito, podendo dar a ordem de serviço da construção da nova UBS da Vila Fraternidade no máximo no início de fevereiro”, projetou Felippe Machado, secretário municipal de Saúde. 

A empresa que vencer o certame terá seis meses para terminar o que resta. Entre os trabalhos que ainda precisam ser feitos estão cobertura, revestimentos, esquadrias, instalação elétrica e hidráulica e alvenaria. Atualmente, o estado da obra é de abandono. Logo na entrada é possível encontrar muito lixo espalhado, além de roupas velhas, sapatos e restos de marmitas.  

Sem se identificar, um morador relatou que o lugar se tornou ponto para usuário de drogas e moradores de rua. “As pessoas vêm e dormem aqui, deixam a sujeira para trás e ninguém limpa, fazem fogueira. Alguns ainda aproveitam os muros que têm para se esconder e fumar maconha. Virou uma dor de cabeça o que era um sonho para a comunidade”, lamentou. Os espaços para as janelas, que tinham proteção de ferro, receberam tijolos para evitar invasões na parte interna. 

LEIA TAMBÉM:

- Prefeitura rompe contrato com responsável pela Cidade Industrial de Londrina

Prefeitura quer área na zona leste para ser sede da secretaria de Saúde

DESLOCAMENTO

Atualmente, os pacientes que deveriam ser atendidos na Vila Fraternidade precisam se deslocar até a unidade da Vila Ricardo, que fica cerca de um quilômetro de distância. O posto da Fraternidade foi o primeiro da cidade, inaugurado na década de 1970. “É importante termos a UBS no bairro e não ficar indo para outro ligar. Até porque quando demoliram falaram que não iam demorar para reconstruir. Já foram mais de sete anos e até agora nada. Esperamos que a obra retome e dessa vez termine. Estamos confiando”, destacou a dona de casa Maria Aparecida dos Santos Silva. 

HISTÓRICO

A construção da unidade no mesmo terreno onde funcionava a antiga teve início em janeiro de 2020, com previsão de entrega em outubro, entretanto, foram concedidos dois aditivos. A obra não avançou e o município encerrou o vínculo com a empreiteira alegando atraso no cronograma e incapacidade para execução dos trabalhos. Na primeira licitação para edificar o posto de saúde, que terá 311 metros quadrados de área construída, o investimento era de R$ 994 mil. Os materiais e demais serviços tiveram que ser orçados novamente para atualização das planilhas de custo neste novo certame. 

Machado defendeu que problemas com empresas após os editais são inerentes ao planejamento da prefeitura. “Não há outra opção para o poder público se não a contratação por licitação e muitas vezes as empresas acabam demonstrando documentalmente capacidade para realização das obras, mas na prática não é isso que vivenciamos. Nesses casos continuaremos sendo intransigentes. As empresas vão ser penalizadas, multadas e impedidas de licitar com o poder público”, sustentou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM