|
  • Bitcoin 124.957
  • Dólar 5,0741
  • Euro 5,2058
Londrina

OPINIÃO

m de leitura Atualizado em 06/04/2021, 15:11

MP propõe bloquear cartão transporte de usuário com Covid em Londrina

Medida, que depende de análise da secretaria de Saúde, divide opinião entre passageiros

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 06 de abril de 2021

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem MP propõe bloquear cartão transporte de usuário com Covid em Londrina Imagem ilustrativa da imagem MP propõe bloquear cartão transporte de usuário com Covid em Londrina
|  Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha 03-2021
 

O promotor de Justiça Miguel Sogaiar, da Promotoria de Defesa do Consumidor em Londrina, propõe o bloqueio do cartão transporte dos usuários do transporte que tiveram a confirmação de Covid-19 pela secretaria municipal de Saúde.  De acordo com o promotor, o bloqueio do cartão transporte é uma medida sanitária e prevista pelo Código Penal.

O bloqueio seria momentâneo, ou seja, apenas no período em que a pessoa necessita ficar em isolamento. Em muitos casos, este período é menor que 14 dias.  “A CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) concordou e estamos oficiando hoje (terça-feira, 6) a secretaria municipal de Saúde. Acredito que em breve vamos ter uma decisão, mas agora precisamos do aval da secretaria”, afirma.  

A proposta foi um dos itens discutidos na reunião realizada na segunda-feira (5), cujo tema foi superlotação no transporte coletivo em Londrina. Participaram o promotor, representantes da CMTU, do DER, das concessionárias de transporte público TCGL, Londrisul e TIL, da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina) e do Sincoval (Sindicato do Comércio Varejista de Londrina), além do procurador Marcelo Adriano da Silva, do MPT (Ministério Público do Trabalho) de Londrina.  

Leia também:

HU de Londrina tem mais pacientes na fila do que internados na UTI Covid-19

Assistência social do HU de Londrina relata rotina ante morte por Covid

USUÁRIOS 

Com duas máscaras cobrindo o rosto e o nariz, uma bisnaga de álcool gel na bolsa e uma troca de roupa para quando chegar ao trabalho, Vera Lúcia Cristina carrega a certeza de que todo o cuidado é pouco diante da pandemia de Covid-19.  Ela utiliza o ônibus como meio de transporte e é cuidadora de idosos, o que a torna ainda mais cautelosa com a higiene. E é taxativa em dizer que a proposta de bloquear o cartão do usuário positivado para a Covid-19  “é ótimo. Se a pessoa está contaminada, ela tem que ficar em casa e ponto final. Se ela pega um ônibus está colocando todos em risco”, ressalta.

Já Laurinda dos Santos Rocha, que também utiliza quase que diariamente o transporte público, não concorda com a medida. “Não é tão simples como parece. Se uma pessoa for sozinha e não tiver ninguém para ajudar, como ela faz? Tem que ir a pé?”, indaga. 

A dona de casa Cecília Tomokoito encara o assunto como “polêmico”. “É claro que o melhor é ficar em casa mesmo, mas se a pessoa realmente precisar sair como ir no médico, por exemplo, é um direto dela”, comenta.  

Considerando que o cartão transporte ficaria bloqueado apenas no período determinado para o isolamento social, a servidora municipal Marinalda Barradas acha a proposta válida.   “A pessoa não deve sair de casa, a não ser que seja para buscar ajuda médica. Eu uso o transporte todos os dias e não me sinto segura em nenhum momento, mas faço o possível para me proteger, mas algumas pessoas só mudam com uma medida mais rígida mesmo”, afirma.  

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1