|
  • Bitcoin 138.047
  • Dólar 4,7700
  • Euro 5,1292
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 17/03/2022, 18:20

Mesmo com liberação, maioria dos londrinenses segue usando máscara

Entre as pessoas que aboliram o uso do acessório em áreas abertas no primeiro dia de flexibilização o clima era de normalidade e liberdade

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 17 de março de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
menu flutuante

A Prefeitura de Londrina revogou o decreto municipal de 2020 sobre a obrigatoriedade da máscara e publicou uma nova resolução, em que sinalizou que vai seguir as orientações do Estado. Com a decisão, a utilização do acessório de proteção em ambientes abertos agora é oficialmente opcional na segunda maior cidade paranaense. Nas ruas, a “novidade” dividiu opiniões, com muitos dizendo que vão continuar com a máscara, pelo menos, mais algumas semanas. 

No Calçadão foi perceptível notar a máscara no rosto da maioria das pessoas que circulavam pelo espaço na manhã desta quinta-feira (17), primeiro dia com flexibilização. “A máscara é uma proteção a mais. Mesmo com muita gente vacinada e os números mais tranquilos, ainda estamos em pandemia de coronavírus. Não acho prudente dispensar agora”, opinou a auxiliar de caixa Grazielly Souza. 

Com um filho pequeno com asma e morando com os pais idosos, a dona de casa Angela Menezes também afirmou que vai seguir com a máscara nos locais ao ar livre. “Já estamos usando máscara há praticamente dois anos. É até estranho ver as pessoas sem, gera um incômodo, um constrangimento. Me sinto mais segura com máscara. O Calçadão é um lugar aberto, mas com muitas pessoas andando ao mesmo tempo próximas”, constatou. 

Quem já aboliu o equipamento de proteção destacou a sensação de liberdade e normalidade. “Aos poucos estamos voltando à vida ao normal. Outros estados estão liberando a máscara e acredito que chegou a hora de fazermos o mesmo. O vírus não vai acabar de uma hora para outra, então, temos que nos adaptar a essa realidade e tomando os cuidados”, relatou o aposentado Geraldo Dias. 

LEIA MAIS: Governo publica novo decreto flexibilizando máscaras no Paraná

DESCONHECIMENTO 

No principal eixo comercial da zona norte de Londrina, algumas pessoas ainda não sabiam da notícia. O rasteleiro aposentado Elias Moura guardou a máscara dele no bolso assim que foi informado pela reportagem da desobrigação sobre o acessório. “Andando na rua incomoda a respiração”, comentou. “Ainda não me sinto confortável em deixar de utilizar. Mas dá uma alegria e até uma emoção ver que a pandemia está acabando”, indicou a dona de casa Vera Batista. 

ÁREAS DE LAZER 

Nas áreas de lazer, onde várias pessoas já não usavam a máscara, a maior parte entre quem caminhava e corria nesta quinta já estava sem o equipamento. “É um espaço extremamente ventilado, sem aglomeração. Não dá para ficar com máscara 24 horas por dia”, ressaltou o gerente de vendas Diego Mathias, que corria no lago Igapó.  

Entre aqueles que fazem exercício com o acessório, o pensamento é outro. “Sofremos muito com a pandemia para bobear só por causa de não usar máscara, mesmo em lugar aberto”, pontuou a estudante Adriana de Brito. 

Maioria das pessoas que foram praticar exercícios no lago Igapó já estavam sem o equipamento nesta quinta Maioria das pessoas que foram praticar exercícios no lago Igapó já estavam sem o equipamento nesta quinta
Maioria das pessoas que foram praticar exercícios no lago Igapó já estavam sem o equipamento nesta quinta |  Foto: Pedro Marconi - Grupo Folha
  

CRIANÇAS 

De acordo com o decreto estadual, a utilização da máscara segue obrigatória em ambientes fechados, como eventos, transporte público, trabalho e comércio. Para as crianças menores de 12 anos o uso do equipamento ficará a critério dos pais, valendo a regra em lugares abertos ou fechados para este público. 

“Não tinha como Londrina desobrigar o uso de máscara e outras cidades obrigar. Geraria confusão. O entendimento da nossa equipe de saúde foi seguir as orientações das autoridades estaduais. Vamos avaliar de que forma isso vai caminhar. Tenho muita preocupação ainda com a questão do coronavírus. Já ficamos até agora, o que vai custar ficar um pouco mais (de máscara)”, defendeu o prefeito Marcelo Belinati. 

O chefe do Executivo municipal reconheceu que a fiscalização sobre o a utilização ou não é difícil, ainda mais em lugares como o Terminal Central, em que fora do ônibus o passageiro pode ficar sem e dentro do veículo com o a máscara. “Por maior que seja a fiscalização, nunca vai ter como ter fiscal em todos os lugares. Pedimos a consciência das pessoas para que continuem se protegendo.” 

NAS ESCOLAS

. .
. |  Foto: Roberto Custódiio
 

A secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes, confirmou que alunos da rede municipal não precisam usar a máscara em nenhum ambiente, inclusive na sala de aula. "Porém, é uma opção das famílias, das crianças. É um momento de transição, com muito respeito às famílias que optaram por continuar com a máscara e para aquelas que não querem usar", observou. 

Moraes ressaltou que outros protocolos de biossegurança serão mantidos, como a limpeza, disponibilização de álcool em gel e os adultos usando máscara. 

CAMBÉ 

Em Cambé (Região Metropolitana de Londrina), a prefeitura também anunciou nesta quinta-feira que vai adotar a resolução do Estado, tornando o uso de máscaras em espaços ao ar livre facultativo. (Colaborou Micaela Orikasa) 

(Atualizada às 14h30)

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.