|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

ALERTA 5m de leitura Atualizado em 05/01/2022, 06:55

Londrina tem primeiros casos confirmados da Influenza H3N2

Saúde vai reforçar equipe da UPA do Sabará e mudar atendimento na Vila Casoni diante do aumento na procura de pacientes com síndromes respiratórias

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 04 de janeiro de 2022

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

A secretaria municipal de Saúde registrou os primeiros casos da H3N2, nova variante da gripe, em Londrina. Oito moradores foram identificados com a doença na cidade após procurarem atendimento na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do jardim Sabará, na zona oeste, e passarem por exames. A maioria dos pacientes está bem, com exceção de um idoso, que precisou ser internado. 

Imagem ilustrativa da imagem Londrina tem primeiros casos confirmados da Influenza H3N2
|  Foto: Arquivo FOLHA
 

O responsável pela pasta, Felippe Machado, informou que desde a semana passada a secretaria tem notado um aumento na busca pela UPA do Sabará, que é exclusiva para síndromes respiratórias. A mudança no panorama, impulsionada pelas festas de final de ano, começou entre segunda (27) e terça-feira (28), diminuindo perto do Ano Novo e voltando a crescer na tarde de sábado (1°), se mantendo numa curva ascendente até esta semana.  

Na última segunda-feira (3), por exemplo, a unidade atendeu 750 pacientes. O número é superior ao que foi visto durante o pior momento da pandemia de Covid-19 no município. A avaliação é de que a Influenza está impactando na atual situação. 

“A UPA do Sabará é unidade sentinela e sempre teve acesso a um exame que chamamos de painel viral. As pessoas com síndrome de gripe, dentro de um protocolo e critério, fazem esse exame, que além da pesquisa comum, de Influenza e Covid, faz pesquisa de mais 30 vírus. Foi dentro desses exames que identificamos os casos de H3N2, que é um vírus que foi declarado com contaminação comunitária no Estado, ou seja, já não conseguimos mais fazer o rastreamento desse vírus na cidade”, destacou Machado. 

REESTRUTURAÇÃO

Diante da grande demanda e da projeção de continuidade deste cenário o poder público municipal está promovendo uma reestruturação na assistência. A partir da tarde de quinta-feira (6), a UBS (Unidade Básica de Saúde) da Vila Casoni, na área central, vai abrir apenas para casos de síndromes respiratórias. Este prazo é para reorganizar a unidade, que vem funcionando para vacinação contra a Covid-19. O lugar vai contar com três médicos recepcionando pacientes, inclusive, no próximo sábado (8) para dar fôlego à UPA. 

Imagem ilustrativa da imagem Londrina tem primeiros casos confirmados da Influenza H3N2
|  Foto: Gustavo Carneiro - Grupo Folha
 

Já no Sabará a escala de médicos será ampliada de cinco para oito profissionais, com reforço da equipe de enfermagem com mais uma sala de triagem e pós-consulta. A tenda ao lado da estrutura da unidade de pronto atendimento, que havia sido desmontada há cerca de duas semanas, será recolocada para evitar aglomeração. 

SEM PÂNICO

O secretário de Saúde destacou que não é momento para pânico e que as unidades de saúde do município têm remédio suficiente para os pacientes. Além disso, Felippe Machado ressaltou que a intensificação dos casos de síndromes respiratórias não significa uma baixa efetividade da vacina contra o coronavírus. O imunizante contra a gripe está sendo adaptado para combater a nova variante e deverá ser distribuído nos próximos meses. 

“Em que pese observar o aumento de casos e atendimentos, não houve qualquer oscilação em relação a pacientes internados e números de óbitos. Dos casos que temos identificados de Covid, mais de 95% são sintomáticos leves ou até mesmo assintomáticos, o que referenda a importância da vacina. No mesmo cenário que tivemos de aumento de caso lá trás, antes da vacina, pudemos observar o impacto grande dentro da rede de assistência”, defendeu. 

LEIA TAMBÉM:

- Saiba a diferença entre gripe e Covid

DIFERENÇAS

Os sintomas de Covid-19 e Influenza são parecidos, entretanto, os de gripe são mais intensos nos primeiros dias do contágio, com febre alta, inflamação na garganta, calafrios, perda de apetite, irritação nos olhos, vômito, dores articulares, tosse, mal-estar e diarreia, principalmente em crianças. 

A prevenção contra as duas doenças é a mesma: distanciamento físico entre as pessoas, uso de máscara e higiene das mãos. O período de incubação do vírus H3N2 é de três a cinco dias, quando começa a manifestação dos sintomas. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM