|
  • Bitcoin 141.409
  • Dólar 4,7700
  • Euro 5,1201
Londrina

Cidades

m de leitura Atualizado em 30/03/2022, 18:19

Alta de materiais e abandono 'espantam' empresas da UBS Fraternidade

Levantamento da Prefeitura de Londrina com fornecedoras revelam motivos para a falta de propostas para concluir a obra

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 29 de março de 2022

Rafael Machado - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Roberto Custodio
menu flutuante

O desinteresse frequente de empresas na reconstrução da unidade básica de saúde da Vila Fraternidade, na zona leste de Londrina, fez com que a prefeitura buscasse saber com as terceirizadas os motivos das duas licitações abertas até agora não terem recebido uma proposta sequer.


O prédio antigo, da década de 70, foi demolido em 2014 para dar lugar a uma nova estrutura. Em 2021, a construtora Terra Viva Serviços de Engenharia Ambiental abandonou a obra com 44% de execução. Em novembro do ano passado, a administração do prefeito Marcelo Belinati (PP) abriu novo processo, com valor de R$ 912 mil.

LEIA MAIS

Prefeitura lança nova licitação para terminar UBS da Vila Fraternidade

UBS da Vila Fraternidade terá nova licitação


Ninguém se interessou. No dia 17 de fevereiro deste ano, o poder público insistiu mais uma vez. Publicou um edital de mais de R$ 1 milhão, o maior em orçamento até então. Mas a licitação deu deserta. Com as expectativas frustradas, o Programa Compra Londrina, vinculado à Secretaria de Gestão Pública, entrou em contato com 15 fornecedoras que sempre recebem informações de obras do município.

. .
. |  Foto: Roberto Custodio
 



Das empresas contactadas, 10 - os nomes foram omitidos do documento - explicaram o porquê de não apresentarem propostas. Segundo o relatório que a FOLHA teve acesso, a pesquisa identificou três motivos: a rejeição do mercado porque a UBS tem "status" de abandonada, o aumento dos preços dos materiais de construção civil e a exigência de documentação que impedem a participação de instituição experientes nas licitações.  

Em relação ao primeiro apontamento, as construtoras disseram que "assumir uma obra pública parada não é sinônimo de negócio atrativo e, sim, de problemas imprevisíveis. De forma geral, há ainda desconfiança com relação à capacidade do poder público na mediação correta deste tipo de problema", como descreveu o coordenador do Programa Compra Londrina, Marcelo Frazão, no levantamento.

MEDO DA CRIMINALIDADE

Uma das empresas ouvidas na pesquisa relatou que a grande dificuldade para participar das licitações "é o número de furtos e invasões, o que impõe custos extras". O cenário de abandonou tem atraído a criminalidade. Bandidos se aproveitam da estrutura para esconder drogas e fugir da polícia.

A ousadia dos traficantes quase virou conto natalino no ano passado, quando a Guarda Municipal apreendeu, em um boneco do Papai Noel, várias porções de maconha e cocaína. Ninguém foi preso, mas a história inusitada já entrou para os capítulos da UBS da Vila Fraternidade.

Número de furtos e de invasões também é apontado como empecilho Número de furtos e de invasões também é apontado como empecilho
Número de furtos e de invasões também é apontado como empecilho |  Foto: Roberto Custodio
 

TRÂMITE

O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, disse em despacho que "não vê problemas a alterações que se façam necessárias na licitação, especialmente porque se demonstrou a ineficácia do processo com os requisitos atualmente exigidos".   

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, o processo está na Secretaria de Obras, que vai atualizar o valor da construção, mas sem prazo de quando a nova licitação será publicada. 

Os pacientes que deveriam ser atendidos na Vila Fraternidade precisam se deslocar até a unidade da Vila Ricardo, que fica cerca de um quilômetro de distância.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1