|
  • Bitcoin 120.671
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 06/06/2022, 18:13

Deputado de Arapongas aciona STF contra decisão de Nunes Marques

Mandado de segurança foi apresentado pela defesa do deputado Pedro Bazana, um dos que pode deixara a Assembleia com volta Francischini

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 06 de junho de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Deputado de Arapongas aciona STF contra decisão de Nunes Marques Imagem ilustrativa da imagem Deputado de Arapongas aciona STF contra decisão de Nunes Marques
|  Foto: Dálie Felberg/Alep
 

Um dos suplentes da coligação que elegeu Fernando Francischini (União Brasil) em 2018, o deputado estadual Pedro Paulo Bazana (PSD) deixou nesta segunda-feira (6) a cadeira na AL (Assembleia Legislativa do Paraná), mas pretende reverter a decisão em menos de 48 horas e voltar ao Legislativo estadual ainda nesta semana. Isso porque o parlamentar entrou com um mandado de segurança no STF  (Supremo Tribunal Federal) contra a decisão liminar do ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), que devolveu os mandatos de Francichini e de outros três ex-deputados estaduais do Paraná eleitos à época pelo PSL. 

Leia maisAL reconduz Francischini ao cargo após decisão de Nunes Marques

O Plenário do Supremo Tribunal Federal terá sessão extraordinária virtual nesta terça-feira (7) para analisar um recurso protocolado pela defesa de Bazana contra a volta do mandato de Francischini. "A gente sempre respeita as decisões da Justiça, mas não concordamos com a liminar dada pelo ministro Nunes Marques dessa forma e impetramos a ação no Supremo para que seja feita uma análise mais correta possível. O mais justo é esperar e acatar a decisão que for dada pelo plenário do STF", disse à FOLHA. 

.

Ex vice-prefeito de Arapongas (Região Metropolitana de Londrina), o deputado estadual eleito suplente pelo PV (Partido Verde) assumiu seu primeiro mandato com a saída de Francischini e outros três parlamentares em novembro do ano passado. Bazana também atuou como presidente da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Arapongas. "Quem perde é toda nossa região, que precisa de mais representantes locais. A região de Londrina é muito forte e ela precisa amadurecer politicamente. Precisamos de mais representantes na Assembleia Legislativa e Congresso, é importante para nosso desenvolvimento regional. Ficamos um pouco menos representados, mas com certeza o Tribunal saberá o que fazer sobre esse tema." 

A decisão de Marques, assinada na última quinta-feira (2), beneficiou também os ex-parlamentares Emerson Bacil, Paulo do Carmo e Cassiano Caron, todos eleitos em 2018 pelo PSL, atualmente União Brasil, por conta da federalização do partido com o DEM.

O recurso apresentado pela defesa de Bazana, um dos deputados que assumiram cadeira na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) após a cassação de Francischini e recálculo eleitoral, foi protocolado no STF e distribuído à ministra Cármen Lúcia na noite da última sexta-feira (3). O deputado Nereu Moura (MDB) também entrou com pedido semelhante contra a decisão de Nunes.  Além de Bazana e Moura, Adelino Ribeiro (PSD) e Elio Rush (União Brasil) são outros dois suplentes para perderem os mandatos com o retorno  de Francischini e de três outros parlamentares. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link