|
  • Bitcoin 103.514
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

ESPAÇO ABERTO

m de leitura Atualizado em 01/06/2022, 00:07

Genivaldo brasileiro

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 01 de junho de 2022

Manuel Joaquim R. dos Santo
AUTOR autor do artigo

Foto: MAURO PIMENTEL / AFP
menu flutuante

Genivaldo se transcendeu. É grande. É maior do que ele. Alcançou fama internacional! É o retrato do país. É uma tragédia tão antiga quanto a nação. É o grito abafado e rouco de um povo que se habituou com a barbárie, com a violência policial e política.

Pobre Genivaldo! Cometeu um crime. Aliás dois. Era negro e não usava capacete! Estava no lugar erado na hora errada. Encontrou no caminho, gente que depõe contra a classe, instigada por uma cultura, que embora nunca tenha desaparecido, vem sendo exacerbada e reforçada pelo ocupante do Planalto. Policiais que recebem aulas cínicas de como lidar com os infratores e que viram retirada do currículo, a matéria sobre Direitos Humanos!

Genivaldo morreu na dúvida. Se o crime maior foi a cor da pele ou a ausência do capacete! O acessório é obrigatório e necessário e a punição está prevista em lei. Contudo, no país dos Genivaldos parados pela polícia, o presidente faz questão de passear estradas afora com os seus asseclas, sem esse acessório, devidamente escoltado pela mesma polícia! Não se tem notícia de multas pagas ou blitzes constrangedoras!

Genilvado não pertencia ao grupo dos privilegiados. Dura lex sed lex para pessoas como ele. Afinal, “todos são iguais, mas uns são mais iguais do que outros”. Não! Genivaldo não morreu por causa do capacete! Essa narrativa, ensopada com outras trazidas pelos autores do homicídio, talvez constitua o epitáfio do pobre nordestino.

Nada a estranhar, quando a intenção é remeter para o mundo das sombras as ações barbaristas do subdesenvolvimento ético e moral. A morte física é insuficiente, quando se trata de delapidar a memória de uma classe, ou de um grupo.

Pobre Brasil! Bem no dia em que se completavam dois anos da morte de George Floyd, asfixiado com o seu pescoço debaixo do joelho do policial Derek Chauvin, durante uma abordagem por supostamente usar uma nota falsificada de vinte dólares em um supermercado, Genivaldo se debateu durante muitos segundos na mala do carro da polícia, inalando gás! Uma câmara de gás. Um jeito de matar tão antigo, quanto os campos de concentração nazistas, no mínimo!

O Brasil agoniza a cada morte de negro e pobre. O país está quase exangue, ao ver escorrer pelas calçadas o sangue de seus filhos. Os Genivaldos da chacina da Penha, que resultou em pelo menos 26 pessoas mortas a tiros ou com objetos de corte e se constituiu na segunda operação policial mais letal da cidade do Rio de Janeiro. Os

Genivaldos que sofrem racismo diuturnamente, registrados pelas câmaras dos celulares e que, em raros casos, se concluem com a punição adequada.

O Genivaldo, de Sergipe, não tem mais o seu endereço numa casinha humilde e respeitado pelos vizinhos. Ele se transcendeu. Seu endereço é o Brasil e os seus vizinhos são os que morrem a cada 23 minutos, por aqui! Os negros que são a maioria no maior país da América Latina, são também os que mais morrem por arma de fogo. Num grupo de dez pessoas assassinadas, oito são negras.

Genivaldo é um nome que pode ser repetido à exaustão, porque nele cabem milhões! Galgou os degraus do paradigma triste da morte antecipada, da tortura perpetuada e do cinismo, que tem um odor fétido de esquecimento, num país letárgico. As ruas continuam vazias e a cada menos de meia hora, segue a procissão fúnebre, carregando as vítimas de uma cultura estruturada e alicerçada sobre a morte selecionada! Morreu Genivaldo, morre o Brasil.

Leia mais: https://www.folhadelondrina.com.br/cidades/conselho-tutelar-centro-de-londrina-e-furtado-duas-vezes-em-24h-3206143e.html

Nos jornais mundo afora só deu Brasil! Pelos piores motivos possíveis. A truculência, a falta de empatia e os equívocos no uso da discricionariedade por parte de agentes públicos. Jornalistas são extremamente necessários como sentinelas da civilização. Se em algum momento, eles dizem que somos os maiores produtores de grãos, logo lembrarão que temos vinte milhões passando fome! Ao referirem que produzimos vacinas em abundância, também sublinharão que a dose de reforço da Covid-19, não atingiu ainda 50% da população. A verdade dos fatos narrados embora dolorida, é sempre instrumento de reflexão e mudança.

Genivaldo se foi. Preto e sem capacete. Na favela, pelo menos oito assassinados, sem mandado judicial contra eles. Preto preso injustamente, por uma identificação facial alheia às melhores práticas jurídicas. Os brasileiros merecem ligar a TV e saborear notícias mais saudáveis para o espírito.

Manuel Joaquim R. dos Santos é padre na Arquidiocese de Londrina

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1