|
  • Bitcoin 121.313
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3307
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 01/08/2022, 10:31

ESPAÇO ABERTO - Cláudio Hummes e seu legado histórico

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 01 de agosto de 2022

Caio Matheus Caldeira da Silva
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Na manhã do dia 4 de julho de 2022, às 9 horas, morreu em São Paulo, aos 87 anos, o Arcebispo Emérito de São Paulo e Prefeito Emérito da Congregação para o Clero, o Eminentíssimo Cardeal Cláudio Hummes. O cardeal, nos últimos meses, tratava de um câncer agressivo no pulmão que suportou durante delongado tempo.

Natural de Salvador do Sul (RS) (08/08/34),  ingressou em sua juventude na vida religiosa na Ordem Franciscana dos Frades Menores (OFM). Recebeu a ordenação presbiteral no dia 03 de agosto de 1958 e foi ordenado bispo em 25 de maio de 1975. Desenvolveu seu ministério pastoral como bispo nas dioceses de Santo André (SP) como coadjutor (1975) e titular (1975-1996); de Fortaleza (1996-1998) e de São Paulo (1998-2006).

LEIA TAMBÉM: 

EncontrosFolha discute os desafios do campo digitalizado

Foi criado cardeal da Igreja Católica por sua Santidade, hoje São João Paulo II, no Consistório de 21 de fevereiro de 2001. Entre os anos de 2006 a 2011 trabalhou diretamente ao lado de Sua Santidade o Papa hoje Emérito Bento XVI, em Roma, como prefeito da Congregação para o Clero.

Ao retornar ao Brasil, assumiu a função de presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e da recém-criada Conferência Eclesial da Amazônia (CEAMA).

Dom Cláudio é uma daquelas personalidades que surgem a cada 100 anos, homem excepcional e de uma grandeza incomparável. Impossível não recordar seu afeto e sorriso com o povo e com a causa do Evangelho.

No Conclave de 2013, que escolheu o papa Francisco, influenciou na escolha do nome papal de Jorge Mario Bergoglio. Na época, Francisco relatou sobre o conclave: “Ao meu lado, nas eleições, estava o arcebispo emérito de São Paulo e prefeito emérito da Congregação para o Clero, cardeal Cláudio Hummes, um grande amigo. Quando a situação ficava um pouco perigosa, ele me consolava. Quando os votos chegaram aos dois terços, começaram a aplaudir, porque o papa tinha sido eleito. E ele me abraçou, me beijou e disse: ‘Não se esqueça dos pobres’. E aquela palavra entrou na minha cabeça: os pobres. Pensei em Francisco de Assis”.

Dom Cláudio não deixa somente um legado para a Igreja Católica, mas para toda a sociedade civil brasileira por sua atuação profética e evangélica, pela justiça social e a defesa dos irmãos mais fragilizados, como já prefiguraria seu lema: somos todos irmãos.

Nos anos da Ditadura Militar no Brasil, lutou por salvaguardar os direitos humanos num contexto marcado extremamente pela repressão e pela tortura. Abriu as Igrejas do ABC para assembleias de operários para que pudessem superar a grande crise de 1979 e 1980, intercedeu pela libertação dos operários presos, não teve medo de se posicionar “à queima roupa”.

Pressionado por algumas figuras da Igreja, optou por ir à Roma consultar o próprio papa para refletir sobre a autenticidade de suas convicções e lutas. O próprio papa João Paulo II o abençoou e mandou continuar seu belíssimo trabalho.

Impossível também não esquecer seu desenvolvimento frente a Conferência Eclesial da Amazônia onde batalhou pela defesa da dignidade dos povos indígenas da Amazônia, que deveriam também ser protagonistas de suas histórias e não um mero objeto do capitalismo selvagem. Por isso, no Sínodo da Amazônia (2019), defendeu com esmero a demarcação das terras indígenas, pois, ele sustentava que elas preservavam a grande Amazônia.

Dom Cláudio era um homem da paz, do amor, da misericórdia, da alegria, contanto que se encontrou com Dalai Lama Tenzin Gyatso, líder espiritual do povo tibetano valorizando a construção de pontes de diálogo para o bem comum na construção de uma cultura de tolerância e de respeito à diversidade religiosa como sementes do Verbo. Santos de Deus, vinde em seu auxílio; anjos do Senhor, correi ao seu encontro! Acolhei a sua alma levando-a à presença do Altíssimo. Amém!

Diácono Caio Matheus Caldeira da Silva, doutorando e mestre em teologia

Os artigos, cartas e comentários publicados não refletem, necessariamente, a opinião da Folha de Londrina, que os reproduz em exercício da sua atividade jornalística e diante da liberdade de expressão e comunicação que lhes são inerentes.

COMO PARTICIPAR| Os artigos devem conter dados do autor e ter no máximo 3.800 caracteres e no mínimo 1.500 caracteres. As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação.| As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. | ENVIE PARA [email protected]