|
  • Bitcoin 105.133
  • Dólar 5,2155
  • Euro 5,4507
Londrina

Opinião

m de leitura Atualizado em 10/06/2022, 19:48

EDITORIAL - A construção civil na recuperação da economia

PUBLICAÇÃO
sábado, 11 de junho de 2022

Folha de Londrina
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O setor da construção civil continua rendendo boas notícias. Se na semana passada a FOLHA trouxe, em sua edição de fim de semana, o resultado de duas pesquisas apontando que apesar das dificuldades dos dois últimos anos de pandemia, o segmento mostrou que é um dos mais importantes motores da retomada do crescimento.  Entre os números destacados na semana passada estão os valores recordes para o VGV (Valor Geral de Vendas) no ano passado, que chegou a quase R$ 2 bilhões. 

Nesta semana, os destaques da reportagem são os empregos gerados no segmento e também os lançamentos de novos empreendimentos. Ressaltando que pela  primeira vez desde que o Plano Real foi implementado no Brasil, em julho de 1994, a construção civil registrou crescimento por sete trimestres consecutivos. Há 21 meses o setor se mantém em expansão.

De julho de 2020 a abril deste ano, foram gerados 500 mil postos formais de trabalho. Somente no último mês de abril, foram 25.341 novas vagas com carteira assinada no país, conforme o Caged (Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Mais de 40% de toda essa mão de obra foi absorvida pelo segmento de construção de edifícios, gerando um impacto direto no mercado imobiliário.  

A Região Sul se destaca nesse cenário promissor. Juntos, os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul representam 18,76% da construção nacional, atrás apenas da Região Sudeste, que detém a maior fatia. O levantamento foi feito pela Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), com base em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Segundo a economista da entidade, Ieda Vasconcelos, o nível de atividade da construção na Região Sul em abril deste ano foi o maior para o mês desde 2010. Os dados fazem parte da Sondagem da Construção Civil realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). 

Em entrevista à FOLHA, Vasconcelos lembrou que a Região Sul também acompanhou a alta no nível de empregabilidade no setor e foi responsável por 16,48% dos mais de 25 mil trabalhadores contratados no Brasil em abril. Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estão entre os dez maiores geradores de novos empregos na construção no primeiro quadrimestre deste ano. 

Leia mais: https://www.folhadelondrina.com.br/geral/serie-de-podcast-banco-dos-reus-chega-ao-terceiro-episodio-3206580e.html

"É importante ressaltar que, pelo segundo ano consecutivo, a construção civil no país vai crescer acima da economia nacional. No ano passado, a economia brasileira cresceu 4,1% e a construção civil, 9,7%. Neste ano, a economia não vai crescer mais do que 1,5%, em um cenário otimista. Isso não acontecia no setor desde 2013", afirmou Vasconcelos.   

Em relação aos lançamentos, no primeiro trimestre de 2022, 18% do total de lançamentos imobiliários foram na Região Sul, que também contabilizou mais de 20% das vendas nacionais. 

Se por um lado a situação econômica do país clama por soluções urgentes, por outro é um alento saber que a construção civil, que serve de termômetro para tantos outros segmentos, está saindo da pandemia bem e respirando sem dificuldades. 

Obrigado por acompanhar a FOLHA!