|
  • Bitcoin 118.190
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3417
Londrina

MUNDO

m de leitura Atualizado em 20/07/2022, 15:52

Bolsonaro diz que está do lado da paz após ser cobrado por presidente da Ucrânia

Apesar do posicionamento de neutralidade, o governo brasileiro foi crítico a Moscou em fóruns internacionais

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 20 de julho de 2022

Marianna Holanda - Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta (20) que está do "lado da paz" no que diz respeito à Guerra da Ucrânia. A fala vem um dia após seu homólogo ucraniano, Volodimir Zelenski, cobrá-lo por sua posição de neutralidade no conflito. "Eu tô do lado da paz", disse Bolsonaro a apoiadores no cercadinho do Palácio da Alvorada. Em seguida, voltou a dizer que, se tivesse como resolver a guerra que se desenrola no Leste Europeu, já teria resolvido.

Esta foi a primeira vez que Bolsonaro e Zelensky se falaram desde o começo da guerra Esta foi a primeira vez que Bolsonaro e Zelensky se falaram desde o começo da guerra
Esta foi a primeira vez que Bolsonaro e Zelensky se falaram desde o começo da guerra |  Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
 

O mandatário comentava que, se dependesse do seu entorno, não teria ido para a Rússia, às vésperas da invasão da Ucrânia, falar sobre a questão dos fertilizantes. O Brasil importa a maior parte dos fertilizantes que utiliza, e Moscou é um dos principais exportadores - a soja é a principal cultura consumidora de fertilizantes. O timing da visita foi mal recebido por parceiros diplomáticos como os EUA, que tentaram dissuadir o governo brasileiro da viagem por acreditarem que a ida poderia representar apoio às ações do líder russo, Vladimir Putin.

Em entrevista à TV Globo na noite de terça (19), o presidente da Ucrânia criticou diretamente a postura de Bolsonaro a respeito do conflito. "Não apoio a posição dele de neutralidade; não acredito que alguém possa se manter neutro quando há uma guerra no mundo."

Apesar do posicionamento de neutralidade de Bolsonaro, o Brasil foi crítico a Moscou em fóruns internacionais, como a ONU (Organização das Nações Unidas), desde o começo da guerra, iniciada em 24 de fevereiro. O país condenou a ação do Kremlin em resoluções da Assembleia-Geral e do Conselho de Segurança - ainda que tenha se abstido na votação que suspendeu a Rússia do Conselho de Direitos Humanos."

"Vamos pensar na Segunda Guerra. Muitos líderes ficaram neutros no começo", disse Zelenski. "Isso permitiu que os fascistas engolissem metade da Europa e se expandissem mais e mais, capturando toda a Europa. Isso aconteceu devido à neutralidade. Ninguém pode ficar no meio do caminho."

LEIA TAMBÉM

Bolsonaro diz que conversou com Putin e defende neutralidade sobre guerra

Zelenski fala com Bolsonaro sobre exportação de grãos

Bolsonaro não mencionou aos apoiadores informações sobre a conversa por telefone que teve com Zelenski na última segunda (18). Na véspera, a jornalistas, o presidente disse que apresentaria a solução para o fim do conflito e fez uma referência à Guerra das Malvinas, que completou 40 anos em abril e teve fim quando as forças argentinas se renderam aos britânicos. Não ficou claro se a rendição era a sugestão que o presidente brasileiro faria a seu homólogo ucraniano.

Zelenski, por sua vez, disse ter reforçado a Bolsonaro a importância das negociações para destravar a exportações de grãos do país de forma a, nas palavras dele, "prevenir a crise global de alimentos provocada pela Rússia".Em um tuíte, o ucraniano disse ter informado Bolsonaro sobre a situação no front. Convoco todos os nossos parceiros para que se juntem às sanções contra o agressor", escreveu.

Esta foi a primeira vez que os dois líderes se falaram desde o começo da guerra - Bolsonaro esteve com Vladimir Putin em Moscou dias antes da invasão à Ucrânia e teve ao menos um telefonema com o russo. O presidente brasileiro e o Itamaraty já fizeram críticas à estratégia de sanções adotada pelo Ocidente para isolar o Kremlin.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.