NO LUGAR DE VÉLEZ -

Weintraub assume o MEC com promessa de gestão técnica

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta segunda-feira (8) a exoneração de Ricardo Vélez Rodríguez do comando do Ministério da Educação. Para o lugar do colombiano que lecionava em Londrina, Bolsonaro nomeou Abraham Weintraub. Aluno de Olavo de Carvalho, o novo ministro é ex-professor universitário, tem experiência no mercado financeiro e também defende o combate ao que chama de marxismo cultural

Agência Estado
Agência Estado

São Paulo - O novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que fará uma gestão técnica à frente da pasta. Ele afirmou, contudo, que isso não significa que trabalhará desconectado das convicções do governo Jair Bolsonaro, que tem "uma ideologia clara". O economista assume o cargo após a demissão de Ricardo Vélez Rodríguez, anunciada nesta segunda (8). A cerimônia de posse de Abraham ocorre nesta terça (9), às 14h, no Palácio do Planalto.


"Sou um técnico. Minha missão é cumprir o que foi escrito no programa de governo de forma serena, tranquila e eficiente, de forma a gerar bem-estar ao cidadão. Esse é o objetivo do Estado, que existe para servir ao cidadão", disse em breve entrevista após ter seu nome confirmado pelo presidente Bolsonaro nesta segunda-feira (8).




Aluno inscrito do curso de Olavo de Carvalho, Weintraub reafirmou ter grande admiração pelo professor, mas disse não ter um alinhamento automático com ele.


"Ele tem ideias muito boas, mas não sigo ipsis litteris tudo o que ele fala. Não é que porque gosto de música clássica que não escute rock and roll de vez em quando", disse. Com passagem pelo mercado financeiro e ex-professor universitário, ele vinha ocupando a secretaria-executiva da Casa Civil e seu nome passou a ser considerado por Bolsonaro há cerca de uma semana.


Weintraub afirmou que está pronto para assumir o posto. "Fui uma das pessoas que elaborou o plano de governo do presidente. Participei do debate sobre diversas áreas, inclusive das discussões sobre educação. Sinto-me preparado para o cargo", disse.


Ele afirmou que, analisando o perfil dos que ocuparam o cargo de ministro da Educação desde o início do governo Lula, seu currículo se sobressai por trazer ao posto o perfil executivo de quem trabalhou por muitos anos em empresas privadas.


"Dos 11 ministros, 64% eram filiados a algum partido. Eu não tenho filiação partidária. Sou puramente técnico. E trago uma novidade importante, que é a minha experiência na iniciativa privada", afirmou.


MARXISMO CULTURAL


Abraham Weintraub defende que é preciso vencer o chamado marxismo cultural das universidades a partir dos ensinamentos do guru do bolsonarismo. Essa ideia foi apresentada por ele em dezembro a apoiadores do presidente Jair Bolsonaro durante um evento organizado por seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro(PSL-SP), em Foz do Iguaçu. "Dá para ganhar deles. É Olavo de Carvalho adaptado", disse Abraham. "E como ganhamos deles? Não sendo chatos. Temos que ganhar com humor e inteligência."


Na Cúpula Conservadora das Américas, Weintraub falou à plateia que os militantes de direita deveriam adaptar as teorias de Olavo para vencer os embates teóricos com os militantes de esquerda, inclusive adotando o seu jeito de falar com xingamentos. "Quando ele (um comunista) chegar para você com o papo 'nhoim nhoim', xinga. Faz como o Olavo de Carvalho diz para fazer. E quando você for dialogar, não pode ter premissas racionais", disse no evento.


No evento, defendeu o expurgo do comunismo e disse que era preciso evitar ameaças como ataques terroristas islâmicos para que o Brasil se tornasse "um dos países mais pacíficos do mundo" (Colaborou Mariana Haubert)


CURRÍCULO


Inicialmente, Bolsonaro havia anunciado pelas redes sociais que o novo ministro possuía o título de doutorado, mas corrigiu a informação em uma nova publicação. "Corrigindo: Abraham possui mestrado em Administração na área de Finanças pela FGV e MBA Executivo Internacional pelo OneMBA, com título reconhecido pelas escolas: FGV/Brasil, RSM/Holanda, UNC/Estados Unidos, CUHK/China e EGADE-ITESM/México", escreveu o presidente.


A plataforma Lattes também indica que o economista Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub tem apenas mestrado, finalizado em 2013 na FGV. O site da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), onde está licenciado, também informa que Abraham é apenas mestre.


Na carreira profissional, segundo o currículo oficial, foi diretor estatutário do Banco Votorantim, CEO da Votorantim Corretora no Brasil e da Votorantim Securities nos Estados Unidos e na Inglaterra.


CONTINUE LENDO:



- Militares perdem embate e temem continuidade da crise no MEC

- Weintraub deve ter disposição de ouvir, dizem especialistas

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo