Assine e navegue sem anúncios [+]
AUMENTO PERIGOSO -

Taxa de transmissão da Covid-19 em Londrina aumenta mais uma vez


Vitor Ogawa - Grupo Folha
Vitor Ogawa - Grupo Folha

A Secretaria de Saúde de Londrina divulgou nesta terça-feira (22) os dados mais recentes referentes à Covid-19 no município e um dos dados que chama a atenção é o índice de transmissão, o chamado R0 (R zero), que está em 1,23. Isso significa que em um determinado espaço de tempo, é possível verificar que para cada 100 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, 123 são contaminadas em Londrina, indicando o crescimento da doença na cidade. No boletim anterior, o número estava em 1,18, mas já esteve em 1,02. Quanto mais baixo esse valor, melhor. O número de casos se aproximou ao pico da doença na cidade, registrado em setembro, quando foram registrados 4.296 casos.  Em dezembro, até agora foram 4260 casos.  

 

O índice de transmissão, o chamado R0 (R zero), que está em 1,23, indicando o crescimento da doença na cidade.
O índice de transmissão, o chamado R0 (R zero), que está em 1,23, indicando o crescimento da doença na cidade. | Carla Sehn/N.Com
 


O prefeito Marcelo Belinati ressaltou que a letalidade em Londrina está em 2,10%, enquanto municípios estão com essa taxa com índices piores, como Arapongas (2,89%), Rolândia (2,84%) e Cornélio Procópio (2,45%). Ele também mencionou que o número de casos ativos em Londrina é menor que o de outras cidades do Estado. Hoje esse índice está em 390 em Londrina e em Maringá está acima de 4 mil.

 

Ele apontou que a taxa de ocupação de leitos UTI Covid-SUS na cidade está em  44,19% por pacientes de Londrina, 34,88% por pacientes de outros municípios. Os outros 20,93% estão livres. “Temos menos casos ativos que em outras cidades, mas nem por isso devemos ficar tranquilos. Devemos usar máscaras, usar álcool em gel e nos distanciar”, destacou o prefeito. Ele ressaltou que Londrina é o centro de referência para 97 municípios da região e engloba um total de 2 milhões de habitantes. 


Sobre a comunicação da lotação de 100% dos leitos de UTI Covid no Hospital Evangélico, Belinati ressaltou que os casos de lá são de pacientes de convênios ou particulares e que o HU (Hospital Universitário) e o Hospital do Coração têm atendido os casos de Covid pelo SUS. “Claro que a Santa Casa, o Evangélico dão retaguarda”, apontou. “A vigilância monitora todos os casos positivos independentemente se for da rede privada ou pública e todos são acompanhados e é Indiferente se fizeram diagnóstico na rede privada ou na unidade da prefeitura”, apontou Belinati. 


Atualmente a cidade está com 390 casos ativos da doença, dos quais 296 estão em isolamento domiciliar e 94 estão internados (40 na UTI e 54 na enfermaria). Entre os casos confirmados por faixa etária, o grupo de 20 a 39 anos chegou ao patamar de 8.700 casos. São 6.483 confirmações entre pessoas de 40 a 59 anos; 2.747 para pessoas acima de 60 anos; 1.120 para jovens de 10 a 19 anos e 349 crianças abaixo de 9 anos. O número de casos confirmados deu um salto em relação ao boletim anterior, que estava em 100 registros, e agora são 374. A média móvel dos últimos dias está em 221. Com isso a cidade está com um total acumulado de 19.399 casos confirmados da doença. Neste boletim mais duas pessoas morreram da doença, ambas do sexo masculino e com comorbidades, uma de 73 e outra de 81 anos. 


Com a proximidade do período de festas de fim de ano, Belinati adiantou que nesta quarta-feira (23) irá lançar uma cartilha com orientações e dicas sobre como devem ser realizadas essas confraternizações para tornar as festas mais seguras. “ As dicas serão para evitar o contágio, para se proteger e proteger toda a família e não pegar o coronavírus. Serão dicas bem bacanas para proteger os pais, os avós e os filhos”, declarou.


O prefeito apontou ainda que a corrida dos pacientes com suspeita de Covid-19 por atendimento nas UPAs (unidades de Pronto Atendimento) não seria necessária. “A UPA do Sabará tem oito médicos e mesmo assim está lotada. Temos seis postos de saúde na cidade inteira que fazem o mesmo atendimento que na UPA. Na zona sul temos a UBS do Ouro Branco; na zona leste temos a UBS da Vila Ricardo; na zona oeste temos a UBS do Jardim Bandeirantes; no Centro temos a UBS Guanabara e na zona norte temos a UBS do Maria Cecília e do Chefe Newton. Quem tiver sintoma deve ir na UBS. Antes ligue para o telefone 0800-400-1234. O atendimento será mais rápido”, orientou.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo