|
  • Bitcoin 142.460
  • Dólar 4,8212
  • Euro 5,1378
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 19/03/2022, 07:11

Paraná recebe grupo com 29 ucranianos que fugiram da guerra

Refugiados desembarcaram em Guarulhos e, em seguida, viajaram para Curitiba. Da capital, ele seguirão para Prudentópolis e Guarapuava

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 18 de março de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: Bruno Santos/ Folhapress
menu flutuante

O Paraná recebeu na tarde de sexta-feira (18), um grupo de 29 pessoas de oito famílias de refugiados da guerra da Ucrânia. Eles são oriundos de diversas localidades do país europeu. O acolhimento dos refugiados no Brasil é fruto da ação da organização GKPN (Global Kingdom Partnership Network), que congrega diversas igrejas pelo mundo. A Primeira Igreja Batista (PIB) de Curitiba, por  intermédio da Abasc (Associação Batista de Ação Social), receberá as famílias que ficarão hospedadas em um hotel custeado pela associação, explicou Marta Moraes, coordenadora da PIB dessa recepção. 

Prudentópolis receberá alguns dos refugiados ucranianos. Prudentópolis receberá alguns dos refugiados ucranianos.
Prudentópolis receberá alguns dos refugiados ucranianos. |  Foto: Divulgação/Acervo Secretaria de Turismo de Prudentóplolis
 

O trabalho também é uma ação do Comitê Humanitas Brasil-Ucrânia, criado pela RCUB (Representação Central Ucraniano Brasileira), com o apoio de dezenas de entidades civis e religiosas brasileiras, que tem o objetivo de prestar solidariedade e apoio humanitário ao povo ucraniano. 

LEIA MAIS: Refugiados ucranianos desembarcam no Brasil e seguem para Curitiba

A Representação Central Ucraniano Brasileira agrupa entidades civis (São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul de várias cidades) e religiosas (260 comunidades greco católicas e 18 ortodoxas e instituições) dos 600.000 brasileiros descendentes de ucranianos.

O Comitê Humanitas Brasil-Ucrânia trabalha em parceria com o Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados), com o Ministério de Direitos Humanos, com órgãos estaduais, com dezenas de municípios e entidades civis a exemplo dos escoteiros, Rotary, Lions, Ordem dos Advogados do Brasil, Abona e outras instituições especializadas no acolhimento de refugiados. Também estão presentes instituições ligadas aos diferentes credos religiosos, Maçonaria, câmaras e associações comerciais.

LEIA TAMBÉM: 'Nunca tivemos tanta força', diz Putin ao discursar em Moscou

Segundo Vitorio Sorotiuk, que preside a Representação Central Ucraniano-Brasileira, em Curitiba, haverá uma recepção aos refugiados e, no domingo, às 11 horas, haverá uma celebração na Primeira Igreja Batista. “Será um culto oficial. Depois, à tarde, vão para os outros municípios. A chegada deles aqui é papel nosso de ajuda humanitária.” 

Os refugiados serão abrigados em dois municípios paranaenses: Guarapuava e Prudentópolis. Na tarde de domingo todos eles devem seguir viagem para Guarapuava e, posteriormente, parte deles deve ser dirigida para Prudentópolis.

O grupo é formado por dez mulheres, dois homens e 17 crianças, que  desembarcaram por volta das 6h30 no aeroporto de Guarulhos. Apesar de homens com idades entre 18 e 60 anos estarem proibidos de deixar a Ucrânia, aqueles que têm três filhos ou mais são autorizados a sair –caso dos dois que integram o grupo. Eles vieram de várias cidades da Ucrânia, inclusive Mariupol e Kharkiv, duas das mais atingidas pela Rússia.

Eles receberão aulas de português e terão moradia e outros gastos bancados pelas igrejas. No próximo dia 26, outros 50 refugiados do leste europeu chegam ao Brasil. No dia 3 de março, o governo brasileiro publicou uma portaria interministerial que concede o visto de acolhida humanitária aos ucranianos e apátridas (pessoas sem nacionalidade reconhecida) afetados ou deslocados pela situação de conflito armado.

O Brasil possui essa modalidade de visto para sírios, haitianos e, mais recentemente, concedeu-o também aos afegãos que fogem do Talibã. 

PRUDENTÓPOLIS 

A Secretária de Turismo de Prudentópolis, Cristiane Guimarães Boiko Rossetim, afirmou que o município ainda não tem nenhum grupo formalizado definido que será encaminhado para Prudentópolis. “Eles estão se organizando através da Humanitas. O município divulgou um documento oficial em que divulga formulários a serem preenchidos para o cadastro das famílias acolhedoras e também para quem vier para cá. A prefeitura faz parte do comitê de ajuda humanitária e por meio desse cadastro pode colaborar para ajudar essas famílias.”

Há pessoas coletando os recursos de forma individual, mas a recomendação é de que as doações sejam centralizadas nos canais oficiais. Há pessoas coletando os recursos de forma individual, mas a recomendação é de que as doações sejam centralizadas nos canais oficiais.
Há pessoas coletando os recursos de forma individual, mas a recomendação é de que as doações sejam centralizadas nos canais oficiais. |  Foto: Divulgação/Comitê Humanitas
 

Rossetim ressaltou haver pessoas que estão atravessando as doações e coletando os recursos de forma individual, mas a prefeitura recomenda que as doações sejam centralizadas nos canais oficiais.  A Cáritas Brasileira Regional Paraná disponibilizou o pix, que é o número de telefone celular da entidade (41) 99643-3320 ou então o depósito pode ser feito na conta 473444-0, do Banco do Brasil (001), na agência 0009-4.  (Com Folhapress) 

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.