|
  • Bitcoin 101.763
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 25/05/2022, 16:02

Bolsonaro veta homenagem a Nise da Silveira

Homenagem a pioneira da psiquiatria humanizada no Brasil foi aprovada pelo Senado em abril

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 25 de maio de 2022

Matheus Teixeira – Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Brasília - O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou nesta quarta-feira (25) a inscrição da psiquiatra Nise da Silveira no livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. 

Nise da Silveira ficou conhecida por ser uma crítica de tratamentos como o eletrochoque, lobotomia, camisa de força e o isolamento em hospícios Nise da Silveira ficou conhecida por ser uma crítica de tratamentos como o eletrochoque, lobotomia, camisa de força e o isolamento em hospícios
Nise da Silveira ficou conhecida por ser uma crítica de tratamentos como o eletrochoque, lobotomia, camisa de força e o isolamento em hospícios |  Foto: Alexandre Campbell/Folhapress/5-11-1995
 

 A médica começou a atuar na área na década de 1940 e se notabilizou por ser uma das pioneiras do movimento contra métodos agressivos que eram aplicados à época a pacientes com transtornos mentais. Em 1936, foi presa após ser denunciada por envolvimento com líderes do comunismo no Brasil. 

 Ela morreu em 1999 e a homenagem havia sido aprovada pelo Senado em abril deste ano. Para vetá-la, o chefe do Executivo alegou que "não é possível avaliar a envergadura dos feitos da médica Nise Magalhães da Silveira e o impacto destes no desenvolvimento da Nação, a despeito de sua contribuição para a área da terapia ocupacional". 

LEIA TAMBÉM 

+ Imagens do inconsciente é homenagem a Nise da Silveira 

+ Exposição em homenagem à Semana da Pátria 

 Silveira ficou conhecida por ser uma crítica de tratamentos como o eletrochoque, lobotomia, camisa de força e o isolamento em hospícios. Defensora de métodos mais humanizados, inseriu a interação com a arte, especialmente a pintura, como forma de tratar transtornos mentais. 

 Muitas obras de seus pacientes ainda estão em exposições pelo país e já chegaram a ser expostas no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Seu trabalho ganhou projeção mundial e teve o trabalho conhecido por psiquiatras de renome internacional, como o suíço Carl Jung. 

 Bolsonaro, no entanto, discordou da iniciativa do Senado de homenageá-la. "Ademais, prioriza-se que personalidades da história do país sejam homenageadas em âmbito nacional, desde que a homenagem não seja inspirada por ideais dissonantes das projeções do estado democrático", disse o presidente. 

 A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) foi a relatora do projeto no Senado e fez uma defesa da trajetória da psiquiatra. "A doutora Nise foi uma extraordinária psiquiatra, que implantou tratamentos humanizados para transtornos mentais e criou um novo momento em relação a esses tratamentos na nossa sociedade brasileira. Estar no livro de Heróis e Heroínas da Pátria é, sobretudo, um reconhecimento ao trabalho que essa mulher fez para o Brasil", afirmou. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1