|
  • Bitcoin 102.802
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Geral

m de leitura Atualizado em 23/06/2022, 17:02

Alumni UEL promove transmissão de palestra de Laurentino Gomes

Tema foi escolhido pelas recentes manifestações de racismo na UEL e para a discussão sobre as cotas raciais.

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 23 de junho de 2022

Vítor Ogawa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

No dia 4 de julho, às 19 horas, a Alumini (Associação de Ex-Alunos da Universidade Estadual de Londrina) realizará a transmissão ao vivo da palestra com o jornalista e escritor Laurentino Gomes com o tema “A Escravidão e a Semente do Racismo no Brasil” pelo seu canal do YouTube. A transmissão também será realizada pela página da Alumni no Facebook.

Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes. Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes.
Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes. |  Foto: Divulgação/Vilma Slomp
 

Segundo o conselheiro geral da Alumni, Gilberto Martin, a ação faz parte de uma série de transmissões pelo nosso canal do YouTube sobre temas relacionados direta e indiretamente com a universidade.

Leia também:

+ Ex-ministro de Bolsonaro passou por Londrina em 2020

+ Samba da Madrugada tem Leci Brandão neste sábado (25)

“A discussão sobre a escravidão é ampla e tem repercussões na universidade. Recentemente a UEL teve episódios de manifestação de racismo e, além disso, há a discussão sobre as cotas raciais. Este ano haverá a definição da lei federal que regulamenta essas cotas e ela será reavaliada pelo Congresso Nacional. A própria lei de cotas colocou que ela seria reavaliada.”

Martin ressaltou que tudo isso possui como pano de fundo a formação étnica do povo brasileiro, que possui grande parcela vinda de escravos e, com a vinda de europeus e asiáticos, vieram compor esse grande mosaico populacional do Brasil. “Esse mosaico é rico e maravilhoso. Os outros povos vieram por vontade própria e os africanos vieram escravizados. O Laurentino, que é paranaense, escreveu uma trilogia sobre o tema e fez todo o levantamento jornalístico histórico com relato bastante aprofundado de como foi o processo da vinda de escravos ao Brasil. Essa história foi escrita pelo autor em linguagem bastante acessível, bem fáceis de ler, pelo qual é possível entender como isso impacta o povo brasileiro.” 

Martin reforçou que a ideia e a proposta da transmissão é aprofundar essa discussão. “O Laurentino aceitou de pronto a proposta de participar dessa transmissão com a gente. Durante a transmissão as pessoas podem participar com perguntas”, ressaltou Martin.

O escritor Laurentino Gomes ministrará palestra pelo YouTube com o tema “A Escravidão e a Semente do Racismo no Brasil”. O escritor Laurentino Gomes ministrará palestra pelo YouTube com o tema “A Escravidão e a Semente do Racismo no Brasil”.
O escritor Laurentino Gomes ministrará palestra pelo YouTube com o tema “A Escravidão e a Semente do Racismo no Brasil”. |  Foto: Divulgação/Alumni UEL
 

LIVRO

Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, último volume da trilogia sobre o tema. A obra, publicada pela Globo Livros, é sequência dos volumes anteriores e se desdobra sobre o profundo e definitivo impacto da escravidão na formação do país e da sociedade em que vivemos hoje. Escravidão - Da Independência à Lei Áurea, é dedicado ao século XIX, desde a Independência, passando pelos Primeiro e Segundo Reinados; ao movimento abolicionista, que resultou na Lei Áurea de 13 de maio de 1888; e ao legado da escravidão, que ainda hoje emperra a caminhada dos brasileiros em direção ao futuro.

O trabalho levou o autor a doze países em três continentes. Para este volume, entre outros locais, o autor esteve em quilombos nos estados da Paraíba, Alagoas, Minas Gerais e São Paulo; antigos engenhos de cana-de-açúcar da região Nordeste; terreiros de candomblé no Recôncavo Baiano; as cidades históricas do ciclo do ouro e diamante em Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso; as fazendas dos barões do café no Vale do Paraíba; e o Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, maior entreposto de comércio de escravos no século XIX.

O Brasil jamais promoveu negros e mestiços à condição de cidadãos plenos, com os mesmos direitos assegurados aos demais brasileiros. Maior território escravista da América em 1822, o Brasil assim se manteria até o final do século XIX, com sua rotina pautada pelo chicote e pela violência contra homens e mulheres escravizados.

Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes. Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes.
Este ano foi lançado o livro Escravidão: da Independência à Lei Áurea - Vol III, escrito por Laurentino Gomes. |  Foto: Divulgação/Vilma Slomp
 

O Brasil seria o último país da América a acabar com a escravidão, pela chamada Lei Áurea de 1888, quase sete décadas após o Grito do Ipiranga. Homens e mulheres escravizados representavam mais de um terço do total de habitantes, estimado em 4,7 milhões de pessoas. Outro terço era composto por negros forros e mestiços de origem africana – uma população pobre, analfabeta e carente de tudo, dominada pela minoria branca. Os indígenas, já dizimados por guerras, doenças e invasão de seus territórios, sequer apareciam nas estatísticas.

Serviço:

Transmissão ao vivo da palestra  “A Escravidão e a Semente do Racismo no Brasil”

Data:  4 de julho

Horário: 19 horas

YouTube: www.youtube.com/c/AlumniUEL/

Facebook: https://www.facebook.com/alumniuel2017