|
  • Bitcoin 102.802
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Folha Mais

m de leitura Atualizado em 17/01/2022, 23:34

Meteorito que sobrevoou o céu de MG é anunciado por 15 mil #trends

Homem acha suposto fragmento de meteoro, lava o objeto com água e sabão e anuncia em site de vendas online

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Davi Paludetto - estagiário*
AUTOR autor do artigo

Foto: Reprodução Astronomiaum Twitter
menu flutuante

#Desapego espacial

Dizem que no Triângulo das Bermudas, no Oceano Atlântico, localizado entre as linhas de Bermudas, Porto Rico e Fort Lauderdale (na Flórida), ocorrem vários eventos intrigantes. Porém, foi na região do Triângulo Mineiro que ocorreu um evento que chocou os moradores da região. Na noite de sexta-feira, dia 14, um clarão viajou sobre a terra a uma velocidade de 43,7 mil km/h.

Os feixes de luz produzidos pelo corpo celeste puderam ser avistados nos estados de Goiás, São Paulo, Distrito Federal e Minas Gerais. Um meteoro percorreu uma área de 109,3 km em apenas 9 segundos até desaparecer entre os municípios de Perdizes e Araxá em Minas, a 18,3 km de altitude.

Alguns moradores das cidades mineiras afirmam que sentiram o chão tremer, além de um forte estrondo que pode ser ouvido. Em nota divulgada, a Bramon (Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros) afirmou que o barulho e os tremores são indícios que a rocha possa ter gerado meteoritos.

Leia também:

+ DeepFake e o desafio do que é real

+ Almanaque – Fenômenos naturais raros

Um dos indícios da fragmentação desta rocha foi visto por um morador da cidade de Iraí, em Minas Gerais, que compartilhou um vídeo do suposto meteorito nas redes sociais. Outras imagens também mostram o homem lavando o objeto com uma escova, água e detergente.

Como se não bastasse ter um presente cósmico na prateleira, imagens do meteorito foram vistas em um anúncio de um site compra e venda online. Os valores pedidos pelo anunciante eram uma bagatela na faixa de R$ 15 mil reais.

Por mais que pareça um mercado um tanto quanto inusitado para alguns, o pesquisador Marcelo de Cicco afirma que esse mercado é bastante comum no Brasil, mesmo se tratando de uma prática ilegal. O pesquisador completa que existe um decreto no país que todo objeto científico para sair do Brasil precisa de autorização do Ministério da Ciência e Tecnologia. Caso contrário, é considerado contrabando. Segundo ele, uma prática comum é mandar na roupa, pelo correio. 

Receba nossas notícias direto no seu celular. Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.