|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

Folha Mais 5m de leitura Atualizado em 01/12/2021, 17:49

Almanaque [email protected] – Transformações pandêmicas

PUBLICAÇÃO
sábado, 27 de novembro de 2021

Bárbara Santos, Davi Paludetto, Kenedy Oliveira e Lucas Souza - Estagiários*
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Folha de Londrina
   

Desde a declaração da pandemia de Covid-19 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em março de 2020 vivemos em um cenário de constante transformação e fluxo de notícias. Nesse almanaque separamos algumas curiosidades sobre essa e outras pandemias que a humanidade enfrentou ao longo dos anos.

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
|  Foto: iStock
 

É de comer?

Em Portugal, Cientistas do IPP (Instituto Politécnico do Porto) estão desenvolvendo uma vacina comestível contra a Covid-19. O imunizante terá forma de iogurte ou suco de frutas e está em fase de testes laboratoriais. A diferença dessa vacina, além da ingestão, é a forma ação no corpo: esta tem objetivo de potencializar o sistema imunológico na produção de uma resposta celular adequada contra o coronavírus. As outras vacinas, no entanto, buscam neutralizá-los. A expectativa é que esse imunizante chegue mais fácil a mais pessoas em um período de seis meses a um ano. O estudo também pode ser útil na imunização de outras doenças infecciosas.   

Veio da vaca?

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
|  Foto: iStock
 

O termo vacina vem do latim vaccinus que significa ‘’derivado da vaca’’ e tem relação direta com a descoberta do imunizante contra a varíola, em 1796. O médico Edward Jenner percebeu que as vacas possuíam feridas iguais as dos humanos, provocadas pela varíola bovina. Ao perceber que as pessoas expostas ao vírus bovino tinham uma forma leve da doença, Edward fez um teste de injeção do pus extraído das feridas das vacas em um garoto de oito anos. A experiência ocasionou poucos sintomas e uma recuperação rápida. Em seguida, o médico pegou o líquido de outro paciente e expôs a criança ao material. Semanas depois de estar em contato com o vírus novamente, o garoto não foi infectado. Assim foram descobertas as propriedades imunológicas contra a doença. 

A.S. (Antes da Seringa)

Com a seringa na mão, o profissional da saúde extrai o líquido imunizante do frasco e aplica a vacina no braço do paciente. Esse foi um momento de felicidade, alívio e esperança para muitos brasileiros hoje imunizados. Mas a origem das vacinas começou com um processo bem diferente dos usados hoje em dia. A história data da China, no século X, quando foram desenvolvidas as primeiras vacinas contra a varíola. O processo não utilizava a seringa, mas sim cascas de feridas da doença, transformadas em um pó que era espalhado pelos ferimentos de pessoas contaminadas: o método recebeu o nome de  variolação.

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
 

Na boca do povo

Quarentena se tornou uma palavra recorrente no nosso vocabulário na pandemia da Covid-19, mas você sabe de onde vêm essa expressão? Ela surgiu na cidade italiana de Veneza, durante a pandemia Peste Negra. Na época, como forma de controle da doença que dizimava a Europa, o governo veneziano decretou que navios que chegassem à cidade deveriam permanecer isolados por quarenta dias, antes que seus passageiros ou tripulantes desembarcassem em seus portos. A prática se mostrou um eficiente método de controle da doença e se tornou uma das práticas mais tradicionais de saúde pública até hoje.

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
|  Foto: iStock
 

Pandemia e música

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Folha de Londrina (@folhadelondrina)

Você já imaginou como a pandemia pode influenciar na criação de uma arte? Abaixo, separamos 5 músicas compostas sobre e durante pandemias históricas.

John Cooke – “Stella celi” (Peste Negra, anos 1400)

Criado durante a segunda onda da Peste Negra, a canção fala sobre uma “estrela no céu” (Stella celi) que consegue derrotar a praga.

Hilliard Ensemble - Topic
 

Johann Sebastian Bach – “Es ist nichts Gesundes an meinem Leibe, BWV 25” (Grande Praga de Marselha, 1723)

Com mais de 100 mil mortos, a canção cita sobre um “mundo como um hospital” e as “as crianças enterradas com doenças”.

S.P.'s score videos
 

Blind Willie Johnson – “Jesus Is Coming Soon” (Gripe Espanhola, 1928)

Essa composição relata os episódios que o cantor viveu durante os anos que o surto tomou conta do mundo.

Traveler Into The Blue
 

Elton John – “The Last Song” (AIDS, 1992)

Após a morte de Freddie Mercury, Elton John e Bernie Taupin escreveram a canção em benefício de sua fundação contra a doença.

EltonJohnVEVO
 

Twenty one pilots – “Level of Concern” (Coronavírus, 2020)

Essa canção de Tyler Joseph e Josh Dun abordam temas como quarentena e união nos tempos de crise.

twenty one pilots
 

Luz no fim do túnel

É muito bom ouvir histórias de pessoas que lutaram contra a doença e no fim se recuperaram. É o que aconteceu com Adelino Gomes da Silva Filho, de 70 anos, que ficou internado durante três meses no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, no Rio de Janeiro. O hospital foi designado para ser referência no munícipio no tratamento da doença e é a primeira vez que zeram o número de internados. Adelino foi o último a receber alta e garante que foi a vacina quem o salvou. Agora o hospital começou um novo ciclo e passa a atender pacientes com sequelas da Covid.

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
|  Foto: iStock
 

Quiz

Você sabe quais foram as doenças infecciosas derrotadas pela vacina? As campanhas de vacinação em massa são imprescindíveis para salvar a humanidade de doenças infecciosas. Algumas doenças tiveram baixos índices de contágio graças à imunização, uma foi até erradicada. Você sabe quais são elas?

1.      Teve seu último caso de contágio natural registrado em 1977. Pouco tempo depois, a Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou a erradicação da doença em todo o mundo graças à vacinação.

2.      Caracterizada por sintomas de febre, tosse e manchas na pele, essa doença contribuiu para o aumento da mortalidade infantil e teve sua vacina desenvolvida em 1963. Entretanto, novos surtos ocorrem pela falta de vacinação da população.

3.      A vacinação contra esta doença ocorre por via injetável e oral, sendo responsável pela redução da paralisia motora de crianças. Está erradicada em diversos países ocidentais.

4.      Pessoas com mais de 50 anos, moradores da zona rural, pessoas com HIV, dependentes químicos, pessoas com tatuagens e piercings e diabéticos são especialmente indicados a manter a vacinação regular contra essa doença.

Imagem ilustrativa da imagem Almanaque M@is – Transformações pandêmicas
 

*supervisão de Patrícia Maria Alves (editora)

LEIA TAMBÉM:

Risco no ar - Grupos de não-vacinados contra a Covid pelo mundo ameaçam fim da pandemia

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM