|
  • Bitcoin 105.795
  • Dólar 5,2368
  • Euro 5,5080
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 23/02/2022, 16:54

'Golpista do Tinder' continua faturando e quer contrato com Hollywood

Homem que inspirou documentáro da Netflix continua solto, vende vídeos às fãs e pode assinar contrato com a indústria do entretenimento

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

Celia Musilli - Editora
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Quando foi lançado o documentário "O Golpista do Tinder" na Netflix, as críticas ao personagem inspirado num sujeito real tomaram a imprensa e as redes sociais. A história do israelense Simon Leviev, que pegou dinheiro de mulheres por quem fingia estar apaixonado, provocou um alvoroço com pessoas francamente iradas  pelo fato dele continuar solto mesmo após as denúncias. Ele chegou a ser preso em 2015 e 2017, mas foi libertado.

Ocorre que ficou muito difícil comprovar na justiça seu crime, um dos motivos seria que as vítimas pegavam dinheiro emprestado de cartões de crédito em seus nomes e nenhuma dívida ficou em nome  do golpista que saiu ileso, gastando milhares de dólares. Algumas vítimas continuam pagando um preço alto por isso. 

O documentátio "O Golpista do Tinder" mostra como três mulheres se envolvem com um homem a ponto de lhe entregarem tudo o que ele pedia. Uma delas, uma norueguesa, chegou a pedir emprestado 250 mil dólares no total - e aos poucos - para entregar ao homem por quem, afinal, estava apaixonada. O caso só veio à tona porque ganhou repercussão na imprensa da Europa.

Apesar de toda enganação, Leviev ficou com  a parte menos penosa da história: simplesmente teve sua conta cancelada no Tinder, mas há rumores que continua livre, leve e solto em outros aplicativos onde cria perfis múltiplos e falsos.

Não bastasse tudo isso, agora chega uma nova notícia: de acordo com o site TMZ - citado em matérias da imprensa brasileira - Leviev criou um perfil  na plataforma Cameo, onde celebridades podem vender vídeos para seus fãs. Cada vídeo do golpista custa 200 dólares, pouco mais de  R$ 1 mil na cotação atual. Se o vídeo for compado por empresas o preço aumenta, chegando a custar US$ 2 mil ou cerca de  R$10,1 mil. Assim, ele continua colhendo frutos graças a sua má fama!

Segundo consta, Leviev já faturou cerca de US$ 30 mil com o "novo empreendimento." Parece que ganhar dinheiro honestamente é coisa do passado num mundo cada vez mais digitalizado e com crimes encobertos por artifícios que fazem o "malandro de ontem" se transformar num ingênuo perto dos espertos de hoje.

LEIA MAIS

Um ponto de vista sobre o golpista do Tinder

RUMO A HOLLYWOOD

Simon Leviev também pensa em fazer carreira em Hollywood e já assinou contrato com uma agente de talentos chamada Gina Rodriguez. Um dos planos é criar um reality de namoros com mulheres correndo atrás dele para conquistá-lo.

Se essas informações deixam as mulheres iradas com tanta injustiça envolvendo um golpista que sai invicto de seus crimes, não custa lembrar que seu nome real é Shimon Hayut - Simon é apenas um pseudônimo - ele usava o app Tinder para enganar mulheres, sendo acusado de ter levado mais de 10 milhões de dólares daquelas que conquistou com flores e jantares caros, pagando  as contas com dinheiro de uma mulher para sair com outra. 

Mas, neste mundo "tinderizado", parece que seu histórico em vez de se converter numa vergonha se transformou em mais uma conquista e é capaz de algumas incautas ainda estarem dando "match" quando topam com aquele sujeito elegante e mais falso do que nota de 1 dólar na fronteira entre o amor e a falta de discernimento. 

"O Golista do Tinder": documentário traz história real de um homem que enganou mulheres e continua solto "O Golista do Tinder": documentário traz história real de um homem que enganou mulheres e continua solto
"O Golista do Tinder": documentário traz história real de um homem que enganou mulheres e continua solto |  Foto: Netflix/ Divulgação
 

...

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1